Por Lael Costa

As vendas de caminhões em 2018 certamente apresentarão uma das mais acaloradas disputas pelo mercado que já se viu em período recente.

Nos dois últimos anos, a Mercedes-Benz tomou a liderança da MAN depois de mais de uma década em que esteve no topo da lista. Agora, com uma linha inédita de caminhões, amealhou armas para revidar.

A Mercedes-Benz, de seu front, também não ficou parada, pelo contrário, atualizou portfólio e reposicionou produtos. Bastava um passeio na Fenatran, realizada em outubro passado, para sentir que vem pela frente.

Leia mais

→MAN projeta crescimento de 20% na produção em 2018

→MAN acerta grandes negócios em ônibus e caminhões

→MAN estreia na categoria de semileves

→Mercedes-Benz começa o ano com o pé no acelerador

→Caminhões: Mercedes-Benz lidera, mas perde participação.

→Caminhões: Mercedes-Benz projeta alta de 30% em 2018.

→Mercedes-Benz adianta novidade para a Fenatran

Os resultados de janeiro reforçam o tom da contenda para os próximos meses. Baseados nos números da Anfavea, a associações que reúne os fabricantes de veículos, a marca de São Bernardo do Campo (SP) começou o ano na frente com 1.391 caminhões vendidos, volume que representou uma alta de 56,5% sobre o mesmo mês do ano passado (889 unidades) e participação de 30,5% do mercado total de caminhões, de 4.561 unidades.

A MAN se manteve na vice-liderança com 1.297 veículos licenciados em janeiro, portanto, uma diferença de 94 unidades em relação à líder. O volume emplacado apontou um crescimento de 99,2% sobre o registrado um ano antes, de 651 unidades, e proporcionou à montadora fatia de 28,43&.

Intocada no terceiro lugar, a Ford iniciou o ano com 574 caminhões negociados, alta de 10,6% em relação aos 519 vendidos em janeiro de 2017. Assim, a marca encerrou o mês com 12,6%.

Os números mostram que a Ford também precisa ficar atenta aos passos da Scania. Embora a marca de origem sueca atue somente nos segmentos de semipesados e pesados, em janeiro a montadora vendeu 498 unidades, negócios que renderam participação de 10,9% do mercado total de caminhões e expansão de 54,7% em relação às vendas de janeiro do ano passado, de 322 unidades.

Os 378 caminhões Volvo licenciados em janeiro permitiram à fabricante preservar o quinto lugar do ranking, como também representou uma alta de 15,7% sobre as 325 unidades vendidas um ano antes e fatia do mercado de 8,25%.

A Iveco, no sexto lugar, foi a que registrou o maior crescimento nas vendas no mês passado, 109,6%, com 285 unidades vendidas contra 136 licenciadas no primeiro mês do ano passado. O volume representou 6,25% das vendas totais de caminhões

A DAF, outra das montadoras que participa somente nos segmentos de semipesados e pesados, fechou o mês de janeiro com 2,3% de participação do mercado, resultado das vendas de 105 caminhões, alta de 72,1% sobre os 61 emplacados em janeiro de 2017.

A lista do ranking termina com a Agrale e a International, no oitavo e nono lugar, respectivamente. Ambas apresentam situação nada confortável. A primeira vendeu somente seis caminhões em janeiro, o que representou queda de 25% sobre as oito unidades licenciadas um ano antes e participação de apenas 0,13% e, a segunda, não registrou nenhum negócio.