Por Alzira Rodrigues | alzira@autoindustria.com.br

Com a produção de 267.460 veículos em março, a indústria automobilística brasileira registrou seu melhor desempenho mensal desde outubro de 2014. Houve crescimento tanto sobre fevereiro, de 25,3%, como em relação ao mesmo mês do ano passado, de 13,5%.

Foram produzidos no primeiro trimestre total de 699.657 veículos, volume 14,6% maior do que o registrado nos primeiros três meses de 2017 (610,7 mil). Diante de tal desempenho a indústria segue contratando. Foram abertas 800 novas vagas em março e 2,9 mil no ano.

Os números positivos da produção este ano refletem principalmente o crescimento do mercado interno, que foi de 15,6% no trimestre, com 545,5 mil veículos emplacados. Em março foram 207,4 mil emplacamentos, com média diária de 9.875 unidades. E abril continua com movimento ascendente. Segundo o presidente da Anfavea, Antonio Megale, o mês começou com vendas acima de 10 mil unidades/dia.

Leia mais

Fenabrave revê projeção e aposta em alta de 15,1% no ano

Venda de veículos cresce 15,6% no trimestre

“No acumulado do primeiro trimestre estamos com volume de produção bem próximo ao da média dos últimas dez anos, que é de 718 mil unidades. Isso representa maior utilização da nossa capacidade instalada”, comentou o executivo. “Na média, o setor tem hoje 40% de ociosidade. Ela é de 37% no segmento de leves e de 70% no caso dos caminhões”.

Diante da efetiva retomada das vendas e da produção, Megale foi questionado sobre eventuais problemas com fornecedores que não estariam acompanhando a alta da demanda. Ele admitiu que os fornecedores foram os que mais sofreram com a crise dos últimos anos, por terem maior dificuldade para se capitalizar.

Mas garantiu, utilizando-se de palavras do presidente do Sindipeças, Dan Ioschpe, que se há problemas são pontuais e não sistêmicos. “E é um bom problema”, comentou Megale. “É o problema de como produzir mais no Brasil”.

Todos os segmentos do setor registraram crescimento da produção em março. As de automóveis e comerciais leves, num total de 254,7 mil unidades, ampliaram-se em 25,1% em relação a fevereiro e 13,5% sobre março do ano passado.

As altas foram de 28% e 67,1%, respectivamente, no segmento de caminhões, com a produção de 9.947 unidades em março. No trimestre o segmento registra expansão de 55,1%, com total de 24,4 mil caminhões fabricados no período.

Leia mais

Concessionários admitem risco de faltar caminhão pesado


Foto: Divulgação/VW