Por Alzira Rodrigues | alzira@autoindustria.com.br

A Volkswagen deu início ao que chama de maior ofensiva de SUVs da história da marca no Brasil, com a apresentação do Tiguan Allspace, que tem opção tanto para cinco quanto para sete passageiros. Antes importado da Alemanha, o modelo vem agora do México em três versões, sendo que duas delas, a 250 TSI e a Comfortiline 250 TSI, têm motor total flex produzido em São Carlos, no interior paulista. A topo de gama, a R-Line 350 TSI, é equipada com motor 2.0.

As três versões custam, respectivamente, R$ 125 mil, R$ 150 mil e R$ 180 mil. O único opcional para todas elas é o teto solar panorâmico, que sai por R$ 4 mil. Com o TIguan Allspace, o primeiro de cinco SUVS que promete lançar até 2020, a Volkwagen quer continuar a trajetória de ganhos de participação no mercado brasileiro.

Leia mais

Volkswagen investe R$ 2 bilhões para produzir o SUV T-Cross no Paraná

Durante a apresentação do modelo na segunda-feira, 9, o presidente e CEO da Volkswagen Região América do Sul e Brasil, Pablo Di Si, destacou a posição de vice-líder alcançada pela marca este ano no mercado brasileiro e reafirmou projeto de lançar 20 modelos no País até 2020, a partir de investimento de R$ 7 bilhões.

Quanto ao segmento de SUVs, lembrou que hoje de cada dez carros vendidos internamente, dois são veículos desse tipo. “Até 2021 serão três a cada dez”. A Volkswagen vendeu apenas 1,4 mil unidades do Tiguan vindo da Alemanha no ano passado e está sem oferta do modelo desde o início do ano.

“Queremos multiplicar por dez esse volume em curto espaço de tempo”, disse o vice-presidente executivo da montadora para o Brasil e vice-presidente de marketing e vendas para a América do Sul, Thomas Owsianski.

Gustavo Luis Schmidt, vice-presidente de marketing e vendas para o Brasil, comentou que a meta é atingir perto de 14 mil unidades depois de dois anos do efetivo início de vendas do modelo por aqui. A Volkwagen abriu a pré-venda do este mês, com a oferta de 500 unidades, e só em maio o Tiguan Allspace estará na rede de concessionários da marca.

Segundo Schmidt, a previsão inicial é a de comercializar 70% de modelos com motor 1.4 e 30% com o 2.0. “A opção de motor flex vai ajudar a vender o Tiguan. O brasileiro se acostumou com a opção de abastecer seu veículos com um ou outro combustível e, além disso, o valor de revenda nesse caso é maior”.

A montadora destaca que o modelo, em sua segunda geração, totalmente nova, é o primeiro SUV à venda no País desenvolvido sobre a Estratégia Modular MQB. Nas versões com motor total flex 1.4 TSI, com 150 cv e 25,5 kgfm, o SUV tem transmissão DSG de 6 marchas, e na versão com o motor 2.0 TSI, com 220 cv e 35,7 kgfm, vem com câmbio DSG de 7 marchas.

Fabricada na planta de Puebla, no México, o Tiguan Allspace estará disponível nas configurações com cinco e sete lugares. Dentre os seus diferenciais, conta com as três primeiras revisões totalmente grátis para todas as versões e é o primeiro SUV do Brasil a oferecer o Manual Cognitivo, que utiliza inteligência artificial para ajudar motoristas.

Todas as versões do Tiguan Allspace são equipadas de série com sistema Discover Media, que permite conectividade avançada com os smartphones por meio do App-Connect (Android Auto, Apple CarPlay e Mirrorlink). Com tela colorida sensível ao toque de 8 polegadas com sensor de aproximação, oferece total nteratividade, com várias opções de informação e entretenimento. Permite conexão Bluetooth para até dois celulares e possui três entradas USB – duas na parte dianteira e uma para o banco traseiro.


Fotos: Divulgação/VW