audi A3 sedan

Por Redação | autoindustria@autoindustria.com.br

Com os 160,9 mil vendidos no mês passado, a Audi AG registra avanço de expressivos 8% em suas vendas mundiais ao longo de 2018. A montadora alemã negociou mais de 624 mil automóveis e SUVs em todo o mundo de janeiro a abril, e estabeleceu novo recorde histórico.

Muito desse desempenho se deve aos mercados asiáticos. A empresa vendeu 8,7  mil veículos no acumulado do ano no Japão, 3,6% a mais. Mas só na China negociou perto de 8% do total do global do quadrimestre: 52,4 mil veículos, 13,5% a mais do que em igual período de 2017.

E  o ávido consumidor chinês seguirá na mira da montadora nos próximos anos, pelo que afirma , membro do Conselho de Vendas e Marketing da Audi AG:

“Temos muito potencial inexplorado. Até 2022 vamos mais que dobrar a nossa gama de modelos produzidos localmente, sendo quatro veículos totalmente elétricos”.

Leia mais

→Novo Audi A6 no forno

Os negócios da marca na América do Norte também mantiveram tendência de alta e avançaram 8,3% no acumulado até abril, com mais de 86,6 mil veívulos negociados.

A Europa, por outro lado, tem contribuído de forma negativa. Segundo a própria montadora, os clientes europeus seguem à espera “da renovação da gama, com novos modelos e descontinuações de outros”. Nos primeiro quatro meses de 2018 foram negociados no continente 288,5 mil veículos, 4,6% abaixo do registrado em igual período de 2017.

O Brasil também não ajudou a melhorar os índices mundiais. Aqui a empresa, apesar do crescimento médio de 21,3% do mercado interno, vendeu 2.676 veículos no quadrimestre, 1,4% abaixo do resultado acumulado nos mesmos meses do ano passado.


Foto: Divulgação/Audi