Por Redação | autoindustria@autoindustria.com.br

Em um evento na quinta-feira, 10 de maio, em Londres, Inglaterra, a Rolls-Royce revelou integralmente o Cullinan, o primeiro utilitário esportivo da marca de automóveis de luxo.

De acordo com a agência de notícias especializada Automotive News Europe, presente na apresentação, quando colocado à venda, entre o fim deste ano e o começo do próximo, o modelo será o SUV em produção mais caro do mundo.

No mercado doméstico, deverá custar a partir de 250.000 libras (US$ 340.000). A marca, porém, costuma aceitar encomendas ao gosto do freguês e, assim, o preço pode ter um “pequeno” acréscimo.

Batizado com o nome do maior diamante já encontrado no planeta, pertencente ao acervo de joias da Coroa Britânica, o Rolls-Royce Cullinan nasce para estabelecer novo conceito no mercado global de SUVs. Segundo a fabricante, o modelo transforma em realidade a ideia de uma viagem fora estrada com muito luxo.

“Sabíamos que tínhamos de oferecer aos nossos clientes o que eles não conseguiam encontrar no mercado de SUV”, conta em nota Torsten Müller-Ötvös, CEO da Rolls-Royce. “Quando Sir Henry Royce disse: ‘Esforce-se pela perfeição em tudo que faz. Pegue o melhor que existe e faça melhor. Quando não existe, projete-o’, ele poderia ter em mente o Cullinan.”

O Cullinan é construído sobre a mesma plataforma de alumínio presente no sedã Phanton, mas com desenvolvimento para poder encarar qualquer tipo terreno, como adoção de amortecedores a ar mais robustos e sistema que empurra as rodas para baixo para que não percam contato com o solo.

No conjunto mecânico, o novo modelo da Rolls-Royce tem o mesmo V12 biturbo de 6.75 litros presente no Phanton. No Cullinan, o motor desenvolve 570 cv e 86 kgfm de torque disponível logo às 1.600 rpm. Chega aos 250 km/h limitados eletronicamente.

O luxuoso SUV estará disponível a partir de duas configurações internas na parte traseira do modelo, o assento habitual de três lugares, ou duas poltronas individuais. Para garantir ainda mais conforto acústico e de temperatura, uma placa de vidro pode ser acionada para isolar o porta-malas do restante do ambiente interno.

A fabricante espera do Cullinan um impulso em suas vendas globais, atualmente em torno de 4.000 unidades, especialmente nos Estados Unidos e na China.


Fotos: Rolls-Royce/Divulgação