Por Redação | autoindustria@autoindustria.com.br

O mercado de veículos importados  apontou  para cima no primeiro semestre de 2018. No acumulado do período, as dezesseis marcas filiadas à Abeifa – Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores, registraram  17,9 mil unidades importadas licenciadas, expressivo crescimento de 35,1% sobre as quase 13,3 mil unidades negociadas no primeiro semestre de 2017.

As vendas em junho somaram 3 mil licenciamentos, crescimento de 15,8% sobre o mesmo mês do ano passado.  A comparação com o desempenho de maio, no entanto, mostra recuo de 6,9%. Naquele mês foram vendidos  3,2 mil veículos importados.

As pouco mais de  3,2 mil unidades importadas pelas empresas da Abeifa no mês passado representaram 1,54% do mercado interno ou 11,7% dos quase 25,7 mil veículos trazidos de fora por todas as empresas, inclusive montadoras aqui instaladas.

Com a persistente pressão do dólar, o setor foi forçado a rever promoções e até aumentar seus preços

José Luiz Gandini,  presidente da Abeifa, afirma que as vendas menores em junho ante maio refletiram a alta do dólar. “Com o intuito de recuperarem consecutivas quedas de vendas nos últimos cinco anos, os importadores  ofereceram produtos e preços mais competitivos no início do ano. Mas com a persistente pressão do dólar, o setor foi forçado a rever promoções e até aumentar seus preços em reais”, justificou o Gandini, também importar Kia.

A própria marca representada por Gandini liderou as vendas de importados no primeiro semestre com 6,1 mil veículos licenciados e salto de 54,8% sobre o mesmo período de 2017 — só no mês passado foram 858 veículos.   A segunda colocada no ano é a Volvo, que vendeu 2.668 unidades, 72% a mais.  Na sequência ficaram a Jac Motors (2.202 /+33,1%), Lifan (1.352 /+8,2%) e BMW (1.344  +43,9%)

LEIA MAIS

→Novo Mini Hatch muda pouco e chega em junho

→Grupo Gandini não importará mais carros Geely

Mesmo com as limitações impostas pelo câmbio desfavorável e as incertezas econômicas, Gandini segue confiante na continuidade da reação: “O mercado deve reagir, como ocorre historicamente, no segundo semestre, em especial porque este ano teremos o Salão do Automóvel, quando os importadores apresentam suas novidades”.

Produção local – Entre as associadas da Abeifa que também têm produção nacional, BMW, Chery, Land Rover e Suzuki fecharam o mês de junho com 1.831 unidades emplacadas, o que representou queda de 5,2% em relação a maio. Comparado a junho do ano passado, a alta é de 1,6%.

Somados os produtos nacionais das afiliadas à entidade mais os veículos importados por elas, as dezesseis empresas licenciaram mais de 4,8 mil veículos em junho, equivalentes a 2,5% do mercado interno de automóveis e comerciais leves.