Por George Guimarães | george@autoindustria.com.br

A greve dos caminhoneiros dá ao menos uma grande lição para o Brasil: ela escancarou quão frágil é a garantia da nossa mobilidade. Bastaram três dias de paralisação de apenas uma categoria profissional para que o País inteiro  beire o colapso.

Há mais de 60 anos o Brasil deixou clara sua opção de privilegiar o transporte de carga e passageiros por meio de rodovias. E, nem precisa falar dos carros,  os caminhões, hoje, carregam algo como 60% de tudo que se produz e se colhe aqui.

Ferrovias, hidrovias, cabotagem nunca estiveram, nem de longe, entre as prioridades dos seguidos governos nesse longo período. Dizem que todos eles sucumbiram ao lobby das montadoras desde que elas aqui chegaram, nos idos dos anos 1950.

Se foi exatamente isso ou não — e provavelmente tenha sido em alguma boa parcela —, o fato é que nunca nos mostramos tão preocupados com a questão. Ao contrário. Depois da casa própria e para muitos até antes dela, o sonho dos brasileiros foi sempre ter um carro na garagem.

Andar de transporte coletivo, pegar um trem ou metrô, se utilizar dessa parca infraestrutura era — e ainda é —  coisa de gente menos privilegiada. Ah, mas o transporte coletivo é precário! Verdade, e bota precário nisso. Mas seria examente por conta dessa carência que não de hoje deveríamos ter cobrado todo e qualquer governo para que altere essa orientação claramente restritiva e perigosa, como se vê agora.

Já em 1928, há exatos 90 anos portanto, o então presidente da República, Washington Luís, afirmaria: “Governar é construir estradas”. Parece que nada mudou de lá para cá: tomamos isso como verdade absoluta e seguimos bovinamente nesse trilho, ou melhor, nesse acostamento.

A conta dessa omissão e miopia vem agora, e da maneira mais dura: como uma democrática faca no pescoço de todos os brasileiros, sejam eles pobres ou ricos, donos de bólidos de centenas de milhares de reais ou usuários de carcomidos ônibus que circulam pelas periferias de grandes cidades.

Mas dizem que se aprende errando, e o Brasil já errou demais em vários aspectos com seu povo, neste inclusive. Está na hora então de mostrar quais lições tiramos deste episódio e trabalhar para que, no futuro, nossa mobilidade e economia sejam garantidas pelos caminhões, ônibus, mas também pelos trens, barcos, carros —  elétricos, híbridos ou a combustão de gasolina, diesel e etanol —  metrôs, biclicletas, patinetes …


Foto: Pixabay