Por Alzira Rodrigues

Megale: “Início de agosto sinaliza crescimento”.

Embalada pelos bons resultados na área externa, a produção de veículos manteve-se em alta em julho, com crescimento de 5,9% sobre junho e de 17,9% no comparativo com o mesmo mês de 2016. No acumulado dos primeiros sete meses do ano atingiu 1 milhão 488 mil unidades, desempenho 22,4% superior ao obtido entre janeiro e julho do ano passado, quando foram produzidos 1 milhão 215 mil veículos.

“As exportações têm contribuído para a redução da capacidade ociosa de nossa indústria”, comentou o presidente da Anfavea, Antonio Megale, na sexta-feira, 4, ao divulgar o balanço do setor. Ele admitiu que a ociosidade ainda é grande, na faixa de 52%, mas mostrou-se otimista em relação ao segundo semestre, tanto em relação às vendas externas como também as internas.

Megale disse que agosto começou em ritmo melhor do que julho, indicando tendência de crescimento no mercado interno no mês. A produção em julho foi de 224,7 mil unidades e o mercado interno absorveu 184,8 mil veículos, resultado 5,2% inferior ao de junho (195 mil), mas 1,9% superior ao do mesmo mês do ano passado. É o terceiro mês consecutivo de crescimento no comparativo anual.

No acumulado de janeiro a julho foram emplacados 1,2 milhão de veículos, alta de 3,4% em relação ao mesmo período de 2016, quando o mercado interno negociou 1,16 milhão de unidades. A Anfavea deixou para o próximo mês uma eventual alteração na projeção feita no início do ano para o mercado interno, que é de crescimento de 4%.

Anúncio

Embora a expansão até julho esteja em nível inferior a esse índice, o segundo semestre de 2016 teve três meses bem fracos em venda – setembro a novembro – o que indica acréscimo no acumulado do ano superior ao registrado até agora. “A média diária de vendas está estabilizada em 9 mil unidades, o que não representa um número explosivo, mas bem razoável. É um nível satisfatório”.

Torcendo para errar – Com relação à produção, a entidade reviu no mês passado a perspectiva de expansão para este ano de 11,9% para 21,5%, num total de 2,62 milhões de veículos. A alta até julho já é superior à projeção, mas Megale disse que a entidade não pretende fazer mais revisões nesse caso. “Se o crescimento for maior, errar vai ser bom”.

Os estoques de veículos nas redes e nas fábricas mantêm-se na faixa de 36 dias, com total de 217 mil unidades. “É um nível levemente acima do que consideramos adequado, mas nada que nos preocupe. Agosto sazonalmente é um mês com volume crescente de vendas e o estoque pode até ser uma preparação da indústria para atender uma demanda maior”.

Com relação ao nível de emprego, houve pequena alta em julho sobre junho – de 124,9 mil para 125,2 mil empregados – mas no comparativo com o mesmo mês do ano passado verifica-se queda de 1,3%. Em relação a dezembro, no entanto, constata-se a o aumento de 4 mil postos de trabalho no setor.


Foto: Divulgação/Anfavea