Por Alzira Rodrigues

Com total de 93 mil veículos emplacados e média diária acima de 8,4 mil unidades, a primeira quinze de agosto é a melhor deste ano para o mercado automotivo brasileiro. Com base no movimento dos primeiros quinze dias, dos quais onze foram dias úteis, fontes da área de distribuição estimam que agosto terá recorde de vendas em 2017, com algo em torno de 200 mil a 210 mil unidades.

Até agora o melhor mês foi maio, com 195,6 mil veículos comercializados. Junho teve pequena retração, para 195 mil unidades, e julho frustrou as expectativas do setor de melhorias já no início deste segundo semestre, com vendas na faixa de 184,8 mil veículos, incluindo automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus.

No início do mês, ao divulgar o balanço dos primeiros sete meses do ano, o presidente da Anfavea, Antônio Megale, já havia adiantado que a demanda dos primeiros dias indicava desempenho favorável em agosto. O balanço deste mês, se realmente comprovado volume recorde no ano, poderá levar a entidade a rever para cima a projeção de um mercado interno com crescimento de 4% no ano. Até porque os números de setembro e outubro de 2016 foram muito fracos.

Anúncio

Até julho o setor emplacou 1,2 milhão de veículos, com crescimento de 3,4% sobre o resultado do mesmo período de 2016, quando foram vendidas 1,16 milhão de unidades. Se ficar na faixa que alguns executivos da área de distribuição estão estimando, em torno de 200 mil a 210 mil veículos, o mercado até agosto terá crescimento entre 4,1% a 4,9% no comparativo com o ano passado.

Foram emplacados nos primeiros oito meses de 2016 quase 1,35 milhão de veículos. Os números da primeira quinzena sinalizam para vendas acima de 1,4 milhão no mesmo período deste ano. Sazonalmente no mercado automotivo a segunda quinzena é bem melhor do que a primeira, principalmente por causa de maior volume de emplacamentos em todos os finais de mês. A média diária da primeira quinzena de agosto, de 8,4 mil emplacamentos, é bem superior às registradas nos meses anteriores, normalmente abaixo de 7 mil veículos.