Por Alzira Rodrigues

Com 105 mil vendas no mês, a comercialização de novas cotas de automóveis e comerciais leves voltou a bater recorde em agosto, totalizando no acumulado dos primeiros oito meses do ano 719,1 mil adesões. Tal desempenho representa um incremento de 14,3% em relação aos 629,3 mil novos consorciados que entraram no sistema no mesmo período do ano passado.

Paulo Rossi, da Abac

Também são positivos os resultados relativos a cotas comercializadas, tíquete médio, número de participantes, contemplações e créditos concedidos, conforme dados divulgados na terça-feira, 17, pela Abac, Associação Brasileira das Administradoras de Consórcio. Segundo Paulo Roberto Rossi, presidente da entidade, o sistema de consórcio vem registrando saldo positivo há 16 meses, o que reflete a gradual recuperação sentida em vários setores da economia. E as perspectivas são positivas para o fim deste ano e também o próximo.

O número de participantes ativos consolidados no acumulado do ano atingiu 3,45 milhões, número 6,2% superior ao do mesmo período de 2016 (3,25 milhões). A potencial participação das contemplações nas vendas do mercado interno atingiu 29%, o que significa que a cada dez veículos comercializados no País, três são via consórcio.

Anúncio

O volume de crédito comercializado até agosto chegou a R$ 30,3 bilhões, valor 22,5% superior ao obtido nos primeiros oitos meses do ano passado (R$ 24,7 bilhões). O tíquete médio, referente ao gasto com a aquisição do veículo, saltou de R$ 39,3 mil para R$ 43,5 mil no período de um ano. As contemplações, por sua vez, subiram 3%, saltando de 345 mil para 355,5 mil no comparativo do acumulado até agosto do ano passado com o mesmo período deste ano.

O crédito que o sistema financeiro disponibilizou para os consorciados do segmento de automóveis e comerciais leves teve alta de 3,7% no mesmo comparativo – R$ 13,98 bilhões para R$ 14,5 bilhões. “O aumento das adesões que vem ocorrendo mês a mês desde janeiro, aliado às altas dos créditos comercializados e do tíquete mensal, ratificam a grande procura pelo mecanismo de consórcio em 2017, sinalizando comportamento consciente do consumidor”, avalia o presidente executivo da Abac. “Nos três indicadores analisados nota-se que todos expressam altas constantes, resultado da consciência sobre a essência da educação financeira aplicada na gestão das finanças pessoais ou familiares”.

 


Foto: Divulgação/Consórcio CAOA e Divulgação/Abac