Por Alzira Rodrigues

O polêmico programa Rota 2030, que criará novas normas para o setor automotivo e já deveria estar em vigor desde o último dia 1º, tem agora nova data para a sua divulgação. O presidente da Anfavea, Antonio Megale, disse na sexta-feira, 4, que o próprio presidente Michel Temer garantiu que o detalhamento do programa sairá no final de fevereiro, conforme já havia antecipado o MDIC, Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços.

“O governo nos informou sobre o adiamento e a partir da semana que vem voltaremos a ter reuniões em Brasília para discutir o Rota 2030”, garantiu Megale.

Inicialmente o Rota 2030 seria divulgado em agosto e, após vários adiamentos, restou a expectativa de que saísse pelo menos até o dia 31 de dezembro, quando acabaria o Inovar-Auto, programa que estabeleceu metas de eficiência energética e penalizou o veículo importado com 30 pontos adicionais de IPI. Mas o Inovar-Auto acabou e nada aconteceu.

Um dos entraves do novo programa refere-se aos incentivos para investimento em P&D, pesquisa e desenvolvimento. O MDIC já havia concordado em manter incentivos para o setor mas o Ministério da Fazenda é contra a medida. A saída de Marcos Pereira do MDIC, anunciada esta semana, não deve prejudicar, na avaliação de Megale, a continuidade dos debates em torno do Rota 2030.

Anúncio

“O ministro Marcos Pereira tem o nosso reconhecimento pelo seu empenho dos debates em torno de numa nova política industrial para o setor. Mas toda a sua equipe esteve empenhada no projeto e, por isso, acredito que sua saída não prejudicará o andamento das discussões sobre o Rota 2030”.

Quanto ao fato de o setor ficar sem regras por pelo menos dois meses, Megale diz não ver qualquer problema. “Não há um buraco. As metas definidas no Inovar-Auto foram cumpridas e não têm volta. As que serão estabelecidas no Rota 2030 em relação à eficiência energética vão valer em 2022. E tudo que foi questionado pela OMC, Organização Mundial do Comércio, em relação ao Inovar-Auto não será repetido no Rota 2030”.



Foto: Divulgação/Anfavea