O mais difícil no Salão do Automóvel de Xangai, China, é identificar o carro que está sendo exposto, muitas das inúmeras marcas locais não são apresentadas com o alfabeto ocidental, é tudo em chinês, não dá para entender nada, isso torna impossível até pronunciar o nome.

Há carros bonitos, superesportivos, carros elétricos, modelos de alta tecnologia e também os semi-autônomos, mas não dá para saber exatamente quais são os equipamentos que eles têm.

A China á assim, autossuficiente, independente do resto do mundo e desenvolvendo cada vez mais tecnologia de ponta. Já é o maior mercado do mundo em vendas, são 30 milhões de veículos por ano, e está caminhando rapidamente para se tornar também líder em qualidade.

Marcas ocidentais também estão presentes em Xangai e é delas que identificamos alguns dos carros que podem estar no Brasil brevemente, além das chinesas Chery, cujos destaques foram o Tiggo 8 e o elétrico Arrizo 6, e JAC, que exibe picape média que deve ser vendida no mercado brasileiura com motor diesel de 150 cv e em versão com propulsão elétrica, destinada a frotistas.

O novo Onix sedã é atração no estande da GM, ele que substituirá o Prisma no Brasil. A marca mostra ainda o utilitário esportivo Tracker, com mudanças importantes, outro porvável porduto brasileiro.

Anúncio

A Renault apresenta o Kwid elétrico, a Nissan,o Sylphy, nome chinês do novo Sentra, e a Hyundai, o IX25, pequeno utilitário esportivo, menor do que o Creta, que também pode ser vendido no Brasil brevemente.

Tiggo 8 nacional

A Caoa Chery confirmou, durante a  abertura dam ostra,  que produzirá no Brasil o modelo Tiggo 8. Ele completará a família de SUVs nacionais, que já tem os Tiggo 2,  5x e 7, todos fabricados na fábrica de Anápolis (GO). A produção começa até o fim deste ano, com vendas previstas  para o início de 2020.

Outra novidade da marca é a atualização do sedã Arrizo 5, já fabricado no Brasil. A empresa revelou que estuda também a importação do Arizzo 6, um pouco maior e mais requintado.

O Grupo Caoa também estuda trazer para o Brasil carros da Exeed, divisão de luxo da Chery, que inclusive já tem tecnologias para o nível 3 de autonomia. Entretanto, o presidente da Chery Internacional, Zhang Guibing, disse que acredita na possibilidade de o Brasil ter os modelos de luxo da marca.

O dirigente elogiou a parceria com a Caoa, dizendo que as empresas se complementam: a Chery oferecendo tecnologia e qualidade, e a Caoa,  sua experiência em atendimento pós-venda e, principalmente, o profundo conhecimento do mercado brasileiro.

* Joel Leite é jornalista, palestrante e criador da Agência AutoInforme, agência especializada no setor automotivo

Foto: Divulgação