Em projeto inovador e sem conhecimento de outro similar no mundo dentro de uma fábrica de veículos, a Mercedes-Benz inaugurou o que chamou de Fazenda Urbana, uma estufa de 1,2 m² para o cultivo de hortaliças sem agrotóxicos. A produção segue para abastecer o restaurante da unidade de São Bernardo do Campo (SP), como também oferece possibilidade de o colaborador levar para casa de maneira pontual ou em esquema de assinatura mensal. Uma população em torno de 10 mil pessoas.

A estufa produz 2,6 toneladas mensais de produtos, o equivalente a 44 mil pés de hortaliças, dentre variados tipos de alface, espinafre, rúcula, agrião, chicória e temperos, como salsinha, hortelã, cebolinha, coentro, manjericão e sálvia. Em breve, começará a colher tomate, berinjela, abobrinha e pimentão.

Segundo Carlos Santiago, a ideia surgiu de maneira informal, por volta de dois anos atrás, em conversa a respeito de hortas urbanas em topos de prédios da Noruega. “Como inovação é tema habitual na Mercedes-Benz, pensamos em fazer diferente. Em poder oferecer um alimento mais saudável para as pessoas.”

Uma pesquisa levou a Mercedes-Benz à BeGreen, uma startup mineira que construiu algo semelhante em um shopping de Belo Horizonte (MG), responsável pela administração da estufa. No caso da horta da Mercedes-Benz, o sistema de produção alia técnicas de cultivo como a aeroponia, com as raízes suspensas e alimentada por borrifação de água e aquaponia, que integra a criação de peixes. De maneira simplista, as hortaliças ficam dispostas calhas ou prateleiras nas quais circula água proveniente de um tanque de tilápias, que alimentadas com ração orgânica, suprem as plantas de nutrientes.

De acordo com Giuliano Bittencourt, CEO da BeGreen, o método introduzido na Fazenda Urbana possibilita 28 vezes mais produtividade e redução de 95% o consumo de água se comparado ao cultivo em um campo convencional. “O que produzimos aqui equivale à colheita de uma área de oito campos de futebol, mas sem desperdício, livre de pesticidas e sem emissão de CO2, afinal, rompe com a cadeia de transporte. Estamos apenas a 50 metros do restaurante.”

Anúncio

Além da BeGreen, contribuíram com a concepção do projeto o Senai Cimatec da Bahia, o Sebrae e a Embrapii, Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial. A Fazenda Urbana traz conceitos de Indústria 4.0 para a qual foi desenvolvido um software de gestão. Por aplicativo, os responsáveis pela produção têm controle a respeito de temperatura, luminosidade, umidade e acidez da água em tempo real por qualquer dispositivo conectado à internet.

A alta produtividade da Fazenda Urbana é também resultante de inovador sistema de iluminação LED, permitindo redução em até 40% o ciclo do cultivo da alface, além da cobertura de uma manta de alumínio que deixa somente os bons raios solares chegar à plantação. “Temos aqui o ambiente perfeito para as plantas crescerem, uma espécie de SPA para hortaliças e legumes”, brinca Bittencourt.

A Fazenda Urbana ainda envolve ONGs apoiadas pela fabricante, como a Hamburgada do Bem e a IAM, Instituição Assistencial Meimei, beneficiadas, no futuro, com a doação do excesso da produção. “O projeto evidencia o compromisso da Mercedes-Benz em investir na qualidade de vida de seus colaboradores, como também de seus familiares”, resume o vice-presidente de operação e adianta: “Isso é só o começo. O próximo passo é empilhar as bancadas para produzir oito vezes mais do que hoje.”


Foto: Mercedes-Benz/Divulgação