A Embrapii, Empresa Brasileira de Pesquisa de Inovação Industrial. que coordena o Programa Prioritário (PP) de Mobilidade e Logística do Rota 2030, informa que tem disponível R$ 40 milhões captados com a indústria em 2019 para desenvolver projetos de inovação em parceria com empresas do setor automotivo.

De acordo com a instituição, o valor gerará investimento total de R$ 100 milhões em novas soluções tecnológicas, já que são somados à quantia captada os recursos econômicos das Unidades Embrapii (centros de pesquisa) e os das próprias empresas interessadas nos projetos. A expectativa é contratar 60 projetos ao longo de 2020.

Companhias de diferentes portes podem ser beneficiadas em toda a cadeia produtiva, tais como as das áreas de eletromobilidade, tecnologia de informação e comunicação, siderurgia, baterias, conectividade, biocombustíveis, novos materiais e inteligência artificial, dentre outros.

A Embrapii informa não haver necessidade de aguardar por edital, garantindo, assim, ser um processo ágil, flexível e sem burocracia. A instituição fica responsável por até um terço do investimento e o restante é dividido entre o centro de pesquisa, que disponibiliza mão de obra e equipamentos, e a empresa parceira.

Anúncio

Nos casos que envolvem mais de uma empresa e pelo menos uma delas seja pequena, o aporte financeiro aumenta e pode chegar até 50% do valor do projeto. O objetivo é estimular inovação com startups para aumentar a interação com grandes empresas.

O dretor de Planejamento e Gestão da Embrapii, José Luis Gordon, destaca que em 5 anos de atuação a instituição já trabalhou com cerca de 600 empresas, em projetos que totalizaram mais de R﹩ 1,4 bilhão.

Além da Embrapii, outras quatro instituições foram credenciados aos projetos prioritários do Rota 2030, conforme anunciado em setembro. Uma delas, o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), pediu descredenciamento em dezembro. As demais são Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial), Fundep (Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa) e Finep (Financiadora de Inovação e Pesquisa).


Ilustração: Pixabay