Com mais de 39 mil emplacamentos em setembro, a Fiat registrou expressivo crescismento de 30% sobre o mesmo mês do ano passado, enquanto o mercado como um todo teve recuo da ordem de 11%. Seu desempenho também é favorável no acumulado do ano, com ganho importante de participação nas vendas totais de automóveis e comerciais leves.

De acordo com o diretor da marca Fiat, Herlander Zola, ante o market share de 13,8% no acumulado de 2019, a empresa encerrou setembro com fatia de 15,4%, ou seja, um aumento de 1,6 ponto porcentual.

Especificamente no mês passado, a sua participação atingiu expressivos 19,7%, o que a colocou no topo do ranking das marcas mais vendidas no País. A Volkswagen, em segundo lugar, teve penetração de 17,1% e a General Motors de 16%.

LEIA MAIS

Strada lidera o ranking dos veículos mais vendidos no País

Em setembro, o melhor mês do ano em vendas de veículos

Dentre os fatores que vêm favorecendo o desempenho positivo da marca, Zola destaca o sucesso da nova picape Strada, que ficou no topo do ranking por modelo em setembro, e também as ações desenvolvidas pela empresa logo no início da crise provoda pela pandemia da Covid -19 e que foram intensificadas nos últimos meses.

Anúncio

Um dos focos principais foram as vendas via plataforma online, que caíram no gosto do consumidor e têm atendido a demanda de todos os produtos da marca. Ao contrário de algumas outras marcas, a Fiat não está utilizando medidas de flexibilização trabalhista, como lay-off, e nem abriu PDV, Programa de Demissão Voluntária.

Ao contrário, Zola prevê a necessidade de realização de horas extras para atender a procura elevada pela nova Strada, que tem fila de espera tanto nas vendas diretas, que respondem por 65% dos seus negócios totais, como no varejo. “Em três meses, dobramos a capacidade da linha da picape de 6 mil para 12 mil unidades/mês. Vamos aumentar ainda mais esse volume até chegar a um ponto de equilíbrio da oferta e demanda”.

A nova Strada já foi lançada na Argentina e ainda este ano deverá chegar ao Paraguai e Uruguai. No Brasil ela custa na faixa de R$ 64,6 mil a R$ 82,3 mil – após seu lançamento, já houve um reajuste de 1,5% a 2% por causa de custos com matéria-prima e câmbio – e seu mix em setembro foi de 46% das vendas no modelo cabine dupla e o restante da simples.

Segundo Zola, o mercado de picapes vem crescendo no Brasil por causa do excelente momento do agronegóciso. Com a Strada e a Toro, a Fiat dominou 54% do segmento no mês passado.


Foto: Divulgação/Fiat