Os lojistas multimarcas de veículos seminovos e usados do Estado de São Paulo programam uma paralisação para o próximo sábado, 9, em protesto contra a alta de 207% do ICMS incidente sobre esses produtos. A Fenauto, representante do setor a nível nacional, divulgou nesta quinta-feira, 7, uma nota de apoio ao movimento estadual.

Ilídio dos Santos, presidente da Fenauto, diz que a entidade recomenda que as manifestações aconteçam de forma pacífica, com o fechamento das lojas no dia 9 e a colocação dos veículos diante dos estabelecimentos. “O objetivo é comunicar à população sobre o aumento brutal que, com certeza, irá prejudicar não só os comerciantes, mas também a população que deseja adquirir um carro usado.

Segundo o executivo, ocasionalmente poderão ocorrer carreatas de lojistas em pontos de várias cidades para divulgar os reflexos negativos do aumento do ICMS no Estado. Ele informa, ainda, que a Fenauto vem tentando desde fevereiro negociar essa questão com vários representantes do governo estadual, mas não obteve sucesso até agora.

LEIA MAIS

Fenabrave negocia revisão da alta do ICMS dos carros em São Paulo

O aumento do ICMS, previsto no decreto 65.253/2020 (Lei nº 17.293/2020), que articula o Pacote de Ajuste Fiscal do Estado de São Paulo, entra em vigor dia 15 de janeiro, quando a alíquota sobre as transações realizadas pelos lojistas de veículos usados subirá de 1,8% para 5,53%. O movimento programado para sábado deve se entender até que o governo estadual reveja essa medida.

Anúncio

“Recentemente, em reunião com a Secretaria de Fazenda do Estado, foi fechado um acordo verbal, objeto de um comunicado conjunto da Fenauto e Fenabrave, por meio do qual o Governo do Estado se comprometia a manter as alíquotas vigentes para os lojistas que aderissem ao Renave, Registro Nacional de Veículos em Estoque. Esse acerto, no entanto, foi quebrado com a publicação de recentes decretos por parte das autoridades do Estado”, explica Santos.

Na avaliação da Fenauto, o aumento do ICMS com o consequente repasse ao preço dos veículos coloca em cheque a sobrevivência do setor, que abrange 12,5 mil lojistas multimarcas e mais de 1,4 mil concessionárias, que empregam cerca de 300 mil pessoas e geram impostos e tributos relevantes para a economia do Estado.

“É inaceitável que, em uma situação de pandemia vivida pelo comércio, esses efeitos desastrosos sejam desconsiderados e ignorados por aqueles que, a princípio, deveriam defender os interesses da população”, destaca o presidente da Fenauto, adiantando que a entidade permanece aguardando a resposta a seus incessantes pedidos de audiência mas, nesse momento, entende que a manifestação não deve parar enquanto não forem revogados os decretos atuais.


Foto: Divulgação/Fenauto