Por Redação

Com o terceiro turno já em operação, a Volkswagen acaba de iniciar a produção do seu novo sedã, o Virtus, que chegará ao mercado em janeiro do próximo ano. A produção, segundo a montadora, está sendo acelerada nas últimas semanas também para atender a demanda pelo recém-lançado Polo, que teve mais de 4 mil pedidos no período de pré-venda.

“Com o Polo e o Virtus, estamos iniciando a maior ofensiva de produtos da Volkswagen do Brasil de todos os tempos”, disse na quinta-feira, 23, Pablo Di Si, presidente e CEO da Volkswagen América do Sul e Brasil. ‘Graças à grande expectativa do mercado pela chegada desses produtos, e ao sucesso do Polo, estamos acelerando a produção para abastecer os estoques de nossos concessionários e garantir o atendimento aos nossos clientes. Estamos trabalhando fortemente para conquistar uma posição cada vez mais relevante no mercado da América Latina”.

Desenvolvidos no conceito de modelos globais, o Polo será exportado para toda a América do Sul e o Virtus atenderá também países fora da região. O Polo está chegando à rede de concessionárias Volkswagen neste mês e os consumidores que aderiram ao programa de pré-venda terão prioridade no recebimento do produto.De acordo com a Volkswagen, o retorno da produção em três turnos foi realizado gradualmente, acompanhando a curva de aceleração de produção do Polo. Em uma primeira etapa, em agosto, a fábrica voltou a operar em cinco dias na semana, o que possibilitou encerrar antecipadamente a utilização do PSE, Programa Seguro Emprego.

Anúncio

“Ao mesmo tempo que utilizamos medidas de flexibilidade para fazer frente aos desafios de mercado, também investimos fortemente na qualificação de nossas pessoas para a introdução de novas tecnologias e a produção de veículos ainda mais avançados. É a excelência e o engajamento de nossos profissionais que garante a qualidade de nossos produtos e processos”, comentou Marcellus Puig, vice-presidente de RH da Volkswagen América do Sul e Brasil. Os dois novos modelos receberam investimentos da ordem de R$ 2,6 bilhões e proporcionaram a introdução de novas tecnologias de Indústria 4.0 na fábrica Anchieta.

“Posicionamos a unidade como referência nesse conceito, que cria fábricas inteligentes, conectadas e flexíveis”, explicou o vice-presidente de operações da Volkswagen do Brasil e América do Sul (SAM), António Pires Os investimentos realizados na Anchieta contemplam inovações em todas as etapas produtivas da fábrica. A estamparia, onde as chapas de aço são moldadas, recebeu 214 novas ferramentas; a armação, onde as peças são unidas, formando as carrocerias, ganhou 373 robôs de última geração; e a pintura foi reprogramada e customizada para receber as novas cores que acompanharão o modelo, além de um equipamento de aplicação de cera nas cavidades, garantindo uma proteção extra contra corrosão.


Foto: Divulgação/VW