Por Lael Costa

Em 20 anos, desde que a Mercedes-Benz iniciou a oferta do Sprinter no País, o veículo já soma mais de 127.000 unidades licenciadas. A família de comerciais, com modelos de vans, furgões e cabines-chassi, tem na versatilidade para atuar nas mais diversas operações urbanas de transporte de carga e de passageiro um dos maiores argumentos de venda. De acordo com a fabricante, o portfólio permite mais de sessenta configurações ao combinar modelo, versão, distância entre-eixos altura interna e conteúdos.

A linha, trazida pela montadora da Argentina, onde é produzida, supre necessidades desde as iniciativas empreendedoras, como oficinas ambulantes, pet shop e food trucks, até grandes operadoras logísticas focadas na entrega de cargas fracionadas. A gama compõe veículos com capacidade de 3.500 kg a 5.000 kg de peso bruto total (PBT) e motores de 129 cv e 146 cv.

Para marcar as duas décadas de atuação no mercado brasileiro, a Mercedes-Benz lançou na Fenatran 2017 uma série especial de produção limitada a vinte unidades que incorpora como itens de série alguns equipamentos opcionais, além de recursos inéditos ao modelo, como o assistente de saída em rampa.

O AutoIndústria pelas ruas e avenidas da cidade de São Paulo o que seria um período de trabalho na distribuição de carga a bordo da versão cabine-chassi do 313 CDI Street. Lastreado com sua capacidade máxima para 3.500 kg de PBT, o Sprinter não deixa dúvidas a respeito de sua vocação para os serviços urbanos.

O primeiro contato proporciona boas impressões. independentemente da estatura do motorista, ele encontra a posição mais adequada ao dirigir pelos ajustes de profundidade e altura do volante combinados aos do banco. Depois, a presença de ar-condicionado, piloto automático, acionamento elétrico dos vidros e dos espelhos retrovisores, volante multifuncional, diversos porta-objetos e sistema de áudio com conexão bluetooth e entrada USB contribuem para mais conforto, conveniência e organização para enfrentar o dia a dia do trânsito.

Anúncio

A unidade avaliada trazia implemento do tipo carga-seca aberta feita de alumínio, composição à primeira vista mais eficiente para garantir maior capacidade de carga útil devido à leveza do material. O 313 CDI Street, no entanto, oferece versatilidade para trafegar com os mais variados implementos, como baús, plataformas e frigoríficos.

Em movimento a versão não decepciona, o condutor certamente experimenta a sensação de dirigir um automóvel de passeio. No trem de força o veículo tem motor biturbo de 129 cv a 3.900 rpm e torque de 31,1 kgfm de 1.200 a 2.400 rpm combinado a uma caixa de transmissão manual de 6 marchas. O conjunto garante força e agilidade aos deslocamentos urbanos. Bem escalonado para a aplicação, o câmbio permite ao motorista explorar ampla faixa de rotação do motor, o que evita trocas em demasia. Ajuda a condução ainda, informação no painel que indica a marcha mais adequada à condição do tráfego.

Outros excelentes auxiliares de direção presentes no veículo são os generosos espelhos retrovisores e o assistente de saída em rampa, esse especialmente conveniente em cidades onde as muitas ladeiras fazem parte do cenário. Ao tirar o pé do pedal do freio, o sistema garante alguns segundos até o motorista alcançar o acelerador sem que o veículo se movimente para trás no caso de uma subida. O utilitário também traz importantes recursos de segurança como controle de tração e programa eletrônico de estabilidade.

O gestor e o condutor ainda conseguem obter melhores desempenhos pelo computador de bordo com informações de quilometragem e consumo. Em trajeto de pouco mais de 40 km essencialmente urbano, o Sprinter avaliado consumiu 12 km/litro. Média promissora em operações de para e anda e nas quais o veículo fica muitas vezes parado com o motor ligado.


Fotos: Mercedes-Benz/Divulgação