Por Redação | autoindustria@autoindustria.com.br

A Nissan tem bons motivos para comemorar o aniversário de quatro anos do Complexo Industrial de Resende, no sul-fluminense. Com 24,3 mil emplacamentos no primeiro trimestre deste ano, a marca ampliou vendas em 27% e conquistou participação de 4,6% no mercado de automóveis e comerciais leves, ante os 4,2% do mesmo período do ano passado.

Em março, especificamente, a Nissan comercializou 11 mil unidades, atingindo participação de 5,5% e a nona posição no ranking das dez marcas mais vendidas no Brasil.

Tal conquista é reflexo principalmente das ações implementadas no último ano fiscal, encerado no mês passado, dentre as quais a contratação de 600 novos funcionários, com quadro hoje de 2,4 mil, e o início do segundo turno e também da produção do Kicks nacional em Resende.

Operando em capacidade praticamente plena, a Nissan atingiu nesta semana a marca de 200 mil automóveis produzidos em Resende. Com vendas iniciadas em julho do ano passado, o SUV da marca japonesa é hoje o principal produto da marca, responsável por 50% do total fabricado.

O modelo começou a ser exportado em janeiro deste ano para a Argentina e, ao lado do hatch March e do sedã Versa, também produzidos em Resende, ajudou a unidade industrial brasileira a alcançar a marca de 30 mil veículos embarcados para o exterior.

Anúncio

Além dos três modelos, a Nissan também produz em Resende os motores flexfuel 1.0 12V, de três cilindros, e 1.6 16V, que também totalizaram produção de 200 mil unidades em quatro anos.

Para Marco Silva, presidente da Nissan do Brasil, um dos segredos do sucesso do complexo é o espírito de um só time:

“Na Nissan, trabalhamos com o real espírito de uma só equipe. E esse investimento nas relações humanas, além, é claro, de todos os recursos tecnológicos da fábrica, se reflete na qualidade dos nossos produtos. A qualidade de nossos funcionários e os nossos processos produtivos estão sendo reconhecidos mundialmente dentro da Nissan”.
Segundo a montadora, a utilização de robôs no Complexo Industrial de Resende é crescente desde sua inauguração, em abril de 2014. Na época eram 100 AGVs (Automatic Guided Vehicles) em operação, hoje já são 138.

Os AGVs são pequenos robôs autoguiados que conduzem carrinhos de peças e plataformas. Eles eliminam a necessidade de transportadores ou plataformas acionadas por correntes, deixando a operação mais segura e silenciosa.

Este sistema robotizado ainda torna a linha flexível para alterações e melhorias, já que os AGVs seguem faixas magnéticas no chão, que têm sua posição e extensão facilmente modificadas. A fábrica conta ainda com mais 91 robôs em diferentes áreas da produção.


Foto: Divulgação/Nissan