A anunciada disposição global da Ford de concentrar sua produção de veículos em picapes e utilitários esportivos poderá ser conferida no Salão do Automóvel de São Paulo. As maiores novidades da marca serão exatamente produtos desses dois segmentos.

A montadora exibirá, por exemplo, o Edge ST, versão atualizada do SUV fabricado na América do Norte com características esportivas e que já tem sua importação definida pela empresa. A sigla ST refere-se a Sport Technologies, grife de veículos de alto desempenho que será apresenta aos brasileiros no utilitário esportivo.

 

ranger storn

Dentre os produtos nacionais, maior destaque será o EcoSport Titanium. A versão, pela primeira vez, poderá ser comprada sem o tradicional estepe na porta traseira, característica que acompanha o utilitário esportivo desde seu surgimento, há quinze anos.

Anúncio

Mas mais do que essa subtração do apêndice externo, o EcoSport Titanium, que chegará ao mercado apenas no ano que vem, contará com pneus run flat, que pode rodar 80 quilômetros mesmo furado – e um kit de reparação assegura ainda mais 200 quilômetros, caso necessário.

No outro campo de atuação eleitopela Ford, além da importada e consagrada F-150, os chamarizes serão as picapes Ranger Storm e Black. A montadora diz que as duas apontam para “as tendências futuras da marca”.

 

Mas o veículo que deve chamar muito a atenção dos visitantes — pelo menos assim espera a Ford — é o SUV Territory.  Maior do que EcoSport, ele foi desenvolvimento em joint venture coma chinesa JMC e, caso venha para cá, competirá na faixa onde hoje transitam  Volkswagen Tiguan ou Jeep Compass, por exemplo.

Natan Vieira, vice-presidente de marketing, vendas e serviços da Ford, afirma que a empresa utilizará a mostra paulista para avaliar a receptividade do modelo que começa a ser vendido no mercado chinês no começo do ano com motor a gasolina turbo.

Lyle Watters, presidente da Ford na América do Sul, contudo, foi mais além e disse que, a depender da aceitação, poderia estudar sua importação e, mais ainda, até sua produção local. Ainda que o Territory tenha plataforma exclusiva, sem qualquer identidade  com as atuais arquiteturas dos atuais Ford.


Fotos: Divulgação/Ford