Apesar da recorrente e necessária observação de que  a base de comparação,é fraquíssima, a indústria de implementos rodoviários não terá muito do que reclamar de seu desempenho em 2018.

No acumulado de janeiro a outubro, o mercado interno chegou a quase 73 mil implementos, 53% a mais do que no mesmo período do ano passado.

Anúncio

O segmento de reboques e semirreboques, contudo, tem números ainda mais robustos. No período, foram vendidos quase 36 mil equipamentos pesados, salto de nada menos do que 80,1%

O desempenho médio do mercado brasileiro poderia ser até semelhante, caso as vendas de equipamentos leves, aqueles aplicáveis sobre o chassi dos caminhões e que se destinam, em boa parte, à distribuição de produtos no comércio, fosse um tanto melhor.

O ritmo ainda minguado de recuperação da economia tem limitado as atividades nas cidades e, consequentemente, a procura por esses implementos. As muitas opções somadas da linha leve registraram 37 mil unidades negociadas, ainda assim avanço cde 33,6% sobre igual período de 2017.

“A crise reduziu nosso mercado interno em dois terços e desorganizou nossas vendas”, analisa Norberto Fabris, presidente da Anfir, Associação Nacional dos Fabricantes de Implementos Rodoviários. “Os resultados de recuperação no mercado urbano ainda estão mais lentos.”


Foto: Divulgação/Renault