No ano passado, o segmento de transporte de carga absorveu 76,4 mil caminhões, volume que representou alta 46,8% sobre as vendas de 2017, período no qual somou pouco mais de 52 mil unidades vendidas. Os dados, baseados no Renavan, são da Fenabrave, federação que representa os distribuidores de veículos no País, divulgados na quinta-feira, 3 de janeiro.

Sérgio Zonta, vice-presidente da Fenabrave, avalia o resultado positivo proveniente de um conjunto de influências, embora ressalte a base comparativa baixa, consequência da forte retração experimentada pelo segmento nos últimos anos devido à crise econômica.

“A expectativa de crescimento do PIB, que veio consolidando ao longo do ano, a queda acentuada na inadimplência do setor, o aumento expressivo da participação dos bancos nos financiamentos, tanto os privados quanto os de montadoras, o crescimento dos índices de confiança dos frotistas e transportadores, além da formação de frota própria, observada junto às empresas, como consequência da greve dos caminhoneiros são fatores que impactaram o resultado final”, enumera em nota o representante da Fenabrave.

Somente em dezembro, os licenciamentos de caminhões somaram 7,6 mil unidades, crescimento nas vendas de 23,2% em relação a dezembro de 2017, quando as vendas chegaram a 6,1 mil veículos.

Para 2019, a Fenabrave acredita na manutenção positiva das vendas para o setor automotivo, embora condicione o desempenho às decisões do governo que acaba de tomar posse. “Tudo dependerá dos rumos a serem dados, como a aprovação das reformas necessárias”, resume em comunicado Alarico Assumpção Júnior, presidente da Fenabrave. “Mas, o que se sinaliza, nesses primeiros dias do ano, já se mostra positivo, com uma agenda de intenso trabalho, proposta para os primeiros 100 dias.”

Anúncio

De acordo com a equipe econômica da Fenabrave, no que diz respeito ao mercado de caminhões, a expectativa é de um crescimento nas vendas de 15,4%, o que alcançaria volume em torno de 88 mil unidades.

Ranking – Na lista das cinco fabricantes que mais venderam em 2018, a Mercedes-Benz repetiu a liderança das vendas de caminhões, com quase 22,3 mil licenciamentos, o que representou 29,2% dos negócios. A Volkswagen Caminhões e Ônibus termina o período na vice-liderança ao negociar perto de 18,8 mil caminhões, participação de 24,6% dos emplacamentos.

A Volvo encerrou o período em terceiro lugar, tirando o tradicional posto da Ford. A vendas da fabricante de Curitiba (PR) somaram no ano passado 10,6 mil caminhões, ou 13,9% das vendas, enquanto a Ford, na quarta posição, acumulou 9,3 mil unidades emplacadas, participação de 12,2%.

Em quinto lugar, a Scania chegou ao fim de 2018 com pouco mais de 8,6 mil modelos vendidos, volume que representou 11,3% das vendas totais.


Foto: Mercedes-Benz/Divulgação