Enquanto Brasil e Mexico passaram a ter livre comércio automotivo a partir desta semana, a Argentina conseguiu renovar acerto com aquele país para a manutenção do sistema de cotas nas transações bilateriais até março de 2022.

De acordo com comunciado da Andefa, a associação que reúne as montadoras na Argentina, o novo protocolo estabelece uma cota recíproca com tarifa livre de US $ 701 milhões durante 2019, US$ 737 milhões em 2020 e US$ 774 milhões em 2021. A partir de 2022 passaria a vigorar o livre comércio.

LEIA MAIS

Com Frontier, Nissan inicia operações na Argentina

Livre comércio de automóveis entre Brasil e México começa a valer

Anúncio

Com relação à cota vigente até agora, os novos valores representam um adicional de 10% este ano e 5% em 2020 e 2021. De acordo com a Adefa, foram meses de negociações entre os governos da Argentina e do México até a obtenção do acordo que definiu os novos parâmetros para os próximos três anos:

“Em um esforço conjunto entre os setores público e privado, foi possível chegar a esse novo acordo comercial entre os dois mercados, em linha com os pedidos  da entidade”.

Este novo acordo substitui o Protocolo V do ACE 55, que havia estabelecido o livre comércio entre os dois países a aprtir de 19 de março deste ano.


Foto: Divulgação/Nissan