Parte do plano estratégico Virada Brasil, Peugeot e Citroën perseguem objetivo de dobrar a rede de concessionárias em quatro anos. Pela meta, terá 364 lojas divididas dentre as duas marcas. Até o fim de 2019, estão previstas a abertura de 56 lojas, o que representará um crescimento de 30%, passando dos atuais 189 para 245 pontos em todo País.

Com o ritmo da expansão, o Grupo PSA espera obter 5% de participação de mercado em 2021. No acumulado do primeiro trimestre do ano, as marcas encerraram o período com 2% das vendas de automóveis e comerciais leves, com 11,6 mil unidades negociadas em mercado de 581,4 mil veículos.

LEIA MAIS

→Nordeste ganha mais uma loja Peugeot Citroën

→Peugeot quer ganhar participação com rentabilidade

→Citroën e Peugeot iniciam as vendas dos novos Jumper e Boxer

→Plano “Virada Brasil” mira 5% de participação da PSA

De acordo com as marcas, o Virada Brasil está calcado em pilares de sustentabilidade, crescimento contínuo e satisfação do cliente a fim de promover um futuro rentável e eficiente. Na estratégia ocorreram renovação de produtos e lançamentos, como também a readequação de rede, com a saída de parte dos grupos existentes, além da reformulação dos serviços de pós-vendas ao criar o Peugeot Total Care e o Citroën & Você.

Anúncio

“Definimos novos padrões no Brasil, olhando, principalmente, a satisfação e encantamento de nossos clientes”, conta Ana Theresa Borsari, diretora das marcas no País. “Agora, com o anúncio de expansão e abertura de novos pontos, vamos conquistar os consumidores com experiências únicas, que partem da mais alta qualidade de nossos produtos e serviços.”

A executiva acredita que chegou a hora das marcas para crescer no País, pois revela que toda a reestruturação interna, de processos e de gama foi finalizada, criando espaço para ampliar a participação das marcas no mercado brasileiro.

A expansão da rede seguirá modelo já experimentado na Europa, no qual as concessionárias atendem tanto a Peugeot quanto a Citroën. O conceito aproveita as características comuns dos veículos nos serviços de oficina, mas preserva as identidades as marcas em ambientes opostos.

“Tínhamos justamente este grande diferencial para utilizar aqui: um modelo de concessionária bi marca, com uma só estrutura, mas concebida com espaço e linguagem visual distintos, de acordo com as identidades e concepção única dos produtos de cada marca”, lembra Marcelo Merani, diretor de desenvolvimento da rede.


Foto: Grupo PSA/Divulgação