A eletrificação dos automóveis, ônibus e caminhões é tema recorrente no dia-a-dia da indústria automotiva há alguns anos. Já no mundo das duas rodas é assunto bem menos comentado, restrito quase sempre aos scooters. Ou melhor, era. A inglesa Triumph, famosa por suas motos clássicas e também pelas big trails, acaba de anunciar que se dedicará à pesquisa e desenvolvimento de motos elétricas a partir de agora.

O projeto, batizado de Triumph TE-1, será desenvolvido nos próximos dois anos em parceria com a Williams Advanced Engineering, braço da originária equipe de Fórmula 1, a Integral Powertrain, fornecedora dos setores automotivo e aeroespacial, e o WMG, Warwick Manufacturing Group.

A Innovate UK, agência governamental britânica de fomento à ciência e tecnologia, e o Departamento de Negócios, Energia e Estratégia Industrial do Reino Unido (BEIS) apoiam e financiarão parte do desenvolvimento.

“As motocicletas elétricas terão um papel vital no transporte futuro no mundo todo, reduzindo o congestionamento e melhorando a qualidade do ar urbano. A pilotagem dessas motos também será ótima, com torque abundante e fácil de controlar, fornecido suavemente em todas as velocidades”, afirma David Greenwood, professor da área de sistemas avançados de propulsão da WMG.

Anúncio

“A colaboração representa uma excelente oportunidade para a Triumph e seus parceiros liderarem a tecnologia que possibilitará a eletrificação de motocicletas”, acrescenta Nick Bloor, CEO da Triumph.

Steve Sargent, chefe de Produto da fabricante, afirma: “Nossa estratégia é fornecer as plataformas de motor mais adequadas para um cenário em constante mudança e vemos o conjunto de motores elétricos como um requisito importante junto com nossos motores de cilindros duplos e triplos”.

A Triumph conduzirá o projeto, fornecendo design do chassi, engenharia, sistemas de segurança e definindo características de entrega de potência de transmissão elétrica. A Williams será responsável pela bateria e pelo sistema de energia combinado com a unidade de controle do veículo.

Já a Integral Powertrain liderará o desenvolvimento de motores elétricos e um inversor de carboneto de silício, integrando ambos em um único compartimento. Por fim, a WMG colaborará com sua especialização em eletrificação desde a fase de pesquisa e desenvolvimento até o seu impacto comercial.

LEIA MAIS

→Triumph vislumbra 2019 como seu melhor ano no Brasil

→Mercado de motos avança 16,8% no ano


Foto: Divulgação/Triumph