As vendas de veículos das fábricas para as concessionárias na Argentina somaram 27,9 mil unidades em maio.  O resultado representa queda de 63,1% sobre o volume negociado no mesmo mês do ano passado e dá bem a noção das dificuldades que o setor vem encontrando ao longo de 2019.

A queda do número de unidades negociadas de janeiro a maio está no mesmo patamar. Os 150,5 mil veículos registrados representam recuo de 58,9% sobre o mesmo período de 2018.

Não à toa governo e montadoras associadas da Adefa, a entidade local equivalente à Anfavea no Brasil, lançaram esta semana o plano Junio 0 Km, uma tentativa pontual de reavivar os negócios nos próximos 30 dias.

Na verdade, trata-se de programa de descontos sobre o preço dos veículos novos. As duas partes garantem redução de 50 mil pesos para carros que custam até 750 mil pesos. Para veículos acima deste valor, o desconto é de 90 mil pesos.

 “Entedemos que, no atual contexto, é importante contar com um plano para melhorar a atividade. Mesmo sendo prematuro estimar os resultados, acredito que nos permitirá mudar as expectativas e, como consequência, gerar maior circulação nas concessionárias”, afirma Luis Fernando Peláez Gamboa, presidente da entidade.

Anúncio

LEIA MAIS

→VW Argentina: 14 milhões de transmissões produzidas.

→Argentina renova acordo automotivo com o México

A industria argentina produziu 30,3 mil veículos no mês passado, 35,3% menos do que no mesmo mês de 2018.  Nos últimos cinco meses, saíram das linhas de montagem somente 137,3 mil unidades, queda de 32,5 %.

Com os péssimos números do mercado interno, a única saída das montadoras para manterem a atividade nas linhas de montagem tem sido os portos. Perto de 65% da produção no período, cerca de 90,3 mil veículos, seguiram para outros mercados, o Brasil especialmente.  Ainda assim, as exportações cresceram somente 1,9% com relação a 2019.


Foto: Pixabay