Com total de 24,18 milhões de unidades comercializadas nos primeiros cinco meses deste ano, ante as 23,34 milhões do mesmo período de 2018, as vendas da indústria de pneus registram alta de 3,6% este ano, graças principalmente ao desempenho positivo nos negócios com as montadoras.

Enquanto as vendas para os fabricantes de veículos subiram 10,5% até maio, para 6,8 milhões de unidades, as realizadas junto ao mercado de reposição evoluíram apenas 1,1%, atingindo 17,36 milhões de pneus. Os dados foram divulgados nesta terça-feira, 11, pela Anip, Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos, e indicam uma reversão da curva declinante do setor verificada até abril.

O melhor desempenho ocorre no segmento de pneus de carga, os destinados aos veículos pesados. Nesse caso houve alta de 39,5% para as montadoras, somando 762 mil unidades este ano, e de 3,1% para o aftermarket, com total de 2,35 milhões de unidades. No cômputo geral, a alta é de 10,1%.

LEIA MAIS

Venda de pneus tem queda de 2,7% no ano

Dunlop começa a produzir no País pneus para veículos pesados

Anúncio

Paccar premia os melhores fornecedores

Já a comercialização de pneus para automóveis e comerciais leves registra queda de 2,5% no mercado de reposiçao, para 8,85 milhões de unidades, e alta de 11,4% para as montadoras (4,6 milhões de unidades este ano). A evolução nesse caso, considerando os dois canais de distribuição, é de 1,8%.

Em maio, particularmente, os negócios da indústria de pneus tiveram expressiva expansão de 36,3% sobre o mesmo mês do ano passado, reflexo do baixo desempenho registrado neste período o ano passado, quando houve a greve nacional dos caminhoneiros.

“Tivemos o melhor desempenho do ano em maio, porém o aumento significativo se deu porque a base de comparação foi bastante impactada pela greve dos caminhoneiros, o que levou os resultados daquele período para baixo”, declara Klaus Curt Müller, presidente executivo da Anip.


Foto: Divulgação/Michelin