Com 46,9 mil emplacamentos no primeiro semestre deste ano, o mercado de caminhões registrou alta de 44,9% em relação às 32,2 mil unidades comercializadas no mesmo período de 2018. Diante do resultado acumulado até agora, a Fenabrave revisou para cima a meta de expansão desse segmento, o que já não aconteceu com os automóveis e comerciais leves, que devem ter demanda em 2019 abaixo da esperada.

LEIA MAIS

Fenabrave revisa para baixo projeção de alta para este ano

Os licenciamentos atingiram 7,8 mil caminhões em junho, volume 36,2% acima do registrado no mesmo mês de 2018. Em relação a maio houve queda de 15,5%, reflexo principalmente do menor número de dias úteis – 19 contra 22 nesse comparativo.

“Apesar de ser atrelado ao PIB, que vem caindo, o mercado de caminhões mantém o ritmo de recuperação iniciado no passado”, comentou Sérgio Zonta, vice-presidente da Fenabrave para o segmento de caminhões, ônibus e implementos rodoviários. “Contudo, no último mês, observamos algumas postergações de compra, por conta das incertezas políticas, o que também contribuiu para a retração nas vendas mensais”.

LEIA MAIS

Anúncio

Indústria de implementos fecha novos negócios no México

Mercado de caminhões avança para novo patamar

Seguindo o movimento favorável no mercado de caminhões, o segmento de implementos rodoviários registrou alta de 58,8% nos licenciamentos do primeiro semestre deste ano, totalizando 30,8 mil unidades, contra as 19,4 mil do mesmo período de 2018.

Em junho, os emplacamentos somaram 5.248 unidades, marcando alta de 40,8% em relação ao mesmo mês do ano passado, mas, com retração de 13,54% na comparação com maio de 2019. Na avaliação de Zonta, a renovação de frota tem incentivado as vendas, embora o segmento também tenha sentido impactos das incertezas políticas, que afetaram a economia.

Também é positivo o resultado no segmento de ônibus, que atingiu venda de 12,4 mil unidades no semestre, com evolução de 71,4% sobre o acumulado dos primeiros seis meses de 2018. Segundo Zonta, o Programa Caminho da Escola e a renovação de frota de modelos rodoviários e urbanos impulsionaram o mercado.


Foto: Divulgação/Scania