As vendas de máquinas agrícolas e rodoviárias reagiram em junho com relação a maio, mas no acumulado do primeiro semestre indicam estabilidade em relação ao ano passado, com total de 19,8 mil unidades comercializadas internamente.

As exportações, no entanto, estão em queda de 2%, para pouco mais de 6 mil unidades, o que reflete negativamente na produção, que nos primeiros seis meses deste ano é 7,9% inferior à registrada entre janeiro e junho de 2018. Foram fabricadas 24,8 mil máquinas, ante as 6,9 mil do primeiro semestre do ano passado.

LEIA MAIS

CNH Industrial faz ações de recrutamento na Agrishow

Apesar dos números desfavoráveis, a Anfavea mantêm as projeções para o setor de alta de 10,9% nas vendas, 2,5% nas exportações e 0,5% na produção. A recente divulgação no plano safra, segundo o presidente da entidade, Luiz Carlos Moraes, deve favorece o segmento a partir de agora. Já a Fenabrave considera que o plano safra divulgado pelo governo está aquém das expectativas do agronegócio.

Anúncio

“Embora o setor agrícola tenha projeção de crescimento na área plantada para a próxima safra, os recursos destinados para a compra de máquinas serão insuficientes, novamente”, lamentou Marcelo Nogueira, vice-presidente da Fenabrave para essa área. “O ideal seria algo em torno de R$ 12 bilhões, mas teremos apenas R$ 9,6 bilhões”.

A entidade, inclusive, revisou a meta de vendas para o segmento este ano. Ante projeção de estabilidade divulgada em abril, estima agora que o mercado de tratores cairá 3,7¨, para 42 mil unidades, e o de colheitadeiras recuará 2,9%, para 5,6 mil unidades.

A recuperação do segmento em junho com relação ao mês anteior – alta de 40,4%, para 4.351 unidades – é atribuída à desaceleração das vendas em maio em função da expectativa quanto à divulgação do plano safra. Tanto é que no comparativo com o mesmo mês de 2018, as vendas de máquinas agrícolas e rodoviárias desaceleraram 11,7%.


Foto: Divulgação/CNHi