A Volkswagen do Brasil amplia sua atuação externa com a venda de 2.350 cabeçotes de motores, produzidos em São Carlos, para a fábrica de Chemnitz, na Alemanha. No ano passado, a fabricante já havia enviado para lá 5 mil unidades de virabrequim.

“Além de ser a maior exportadora de veículos da história do Brasil, graças a sua tecnologia de ponta e eficiência nos processos produtivos, a empresa está se transformando em uma importante exportadora de componentes por meio da fábrica de São Carlos”, disse nesta quinta-feira, 1, o presidente e CEO da Volkswagen do Brasil, Pablo Di Si.

Peça da câmara de combustão do motor onde estão velas e válvulas de admissão e escape, o cabeçote é responsável por conduzir e controlar a entrada de ar, combustível e gases de escapes. Na Alemanha, os componente produzidos no interior paulistal serão utilizados na produção de motores 1.0l TSI.

LEIA MAIS

Grupo Volkswagen vende menos, mas fatura e lucra mais no semestre

Anúncio

Volkswagen retoma 2º turno no Paraná

Pablo Di Si, da Volkswagen: “Não quero perder dinheiro”.

Maior exportadora da história do País com mais de 3,9 milhões de unidades enviadas para 147 países, a Volkwagen responde este ano por mais de 25% do total de carros e comerciais leves exportados pelas montadoras instaladas no Brasil.

A montadora não revela os números totais, mas garante que a fábrica de São Carlos tem gerado demandas relevantes de exportação de componentes para os mais exigentes mercados do mundo. Está em curso, atualmente, contrato de 250 mil motores com México, que recebe o motor 1.4 TSI utilizado nos modelos Jetta e Golf para atender o mercado estadunidense.