A AEA, Associação Brasileira de Engenharia Automotiva, assumiu mais um papel em seu conjunto de trabalhos que contribuem com definições de normas focadas à cadeia do setor automotivo do País. A entidade volta os olhos à educação da base com o 1º Desafio AEA de Manufatura Avançada.

Com caráter inclusivo, o projeto tem como norte estimular alunos da rede pública, por enquanto das escolas do estado de São Paulo, a desenvolver aptidões em negócios, da criação ao gerenciamento. Nesta primeira edição, os alunos serão desafiados a encontrar soluções para problemas reais baseadas na Inteligência Artificial (IA) ou Internet das Coisas (IoT).

“Temos uma transformação em andamento que envolve conceitos vagos, como a midiática Indústria 4.0”, avalia Carlos Sakuramoto, diretor executivo da associação. “Cabe a AEA harmonizar os conceitos e preparar a mão de obra para o futuro. Afinal, o que é preciso estudar hoje para garantir o emprego de amanhã?”, questiona.

De acordo com Sakuramoto, a iniciativa permite oportunidade de desenvolver método para o ensino da IA e IoT para a educação pública, “frequentemente desprovida de laboratórios e aulas de robótica, fundamentais para o futuro”.

Anúncio

LEIA MAIS

→Besaliel Botelho assume a AEA

Podem participar do desafio alunos regularmente matriculados em escolas municipais ou estaduais. Os estudantes devem se organizar em equipes de dois a sete integrantes, no máximo, com um professor como orientador. Cada escola poderá inscrever até duas equipes.

A competição seguirá por sete fases, ao longo do ano que vem, dentre o desafio proposto, o desenvolvimento, o aprimoramento da ideia até a avaliação final. Vencedores serão conhecidos no V Seminário AEA de Manufatura Avançada, programado para o dia 17 de outubro de 2020.

No pacote de premiação estão notebooks, cursos e kits Lego Mindstorm. O edital e as inscrições estão disponíveis no site da AEA.


Foto: AEA/Divulgação