O governador do Estado de São Paulo, João Doria, informou nesta segunda-feira, 13, que o Grupo Caoa desistiu da compra da fábrica da Ford Caminhões no bairro do Taboão, em São Bernardo do Campo, SP. Garantiu haver outros dois grupos interessados no negócio e revelou que a Caoa estuda investir em uma nova fábrica em São Paulo, o que foi confirmado posteriormente pela empresa.

O governador, segundo reportagem do portal G1, disse não ter desistido do tema Ford ainda. “Há um entendimento novo em curso com dois fabricantes chineses. Não temos propagado até para que eles possam seguir com tranquilidade, sem a pressão do tempo”, comentou Doria. Há especulações sobre o interesse por parte da Byd, montadora chinesa especializada em veículos elétricos, em adquirir o já desativado complexo industrial de Taboão.

O Grupo Caoa, por sua vez, optou por não se pronunciar oficialmente sobre a eventual desistência da compra da fábrica da Ford Caminhões, alegando que não tinha executivo disponível para falar do assunto em função do período de férias.

Mas confirmou outra informação veiculada pelo governador João Doria, a de que a empresa estaria estudando um novo investimento em São Paulo. Segundo o governador, o projeto do grupo brasileiro de construir nova fábrica no estado, em município ainda não definido, envolveria parceria com um fabricante chinês e deve ser divulgado ainda este ano. A compra da fábrica da Ford não teria se concretizado, segundo Doria, porque o investidor queria um espaço maior para produção automobilística.

Anúncio

Em dezembro, a Caoa já havia declarado que as chances de adquirir o complexo desativado pela Ford no ABC paulista eram remotas.

LEIA MAIS

Caoa: remotas possibilidades de comprar a Ford.

No ano de seu centenário no Brasil, Ford fechará São Bernardo do Campo

Caoa Chery emplaca 133% a mais em 2019

Em São Paulo, o grupo detém a operação da fábrica de Jacareí, onde produz o sedã compacto Chery Tiggo 2 e Arrizo 5. A Caoa também tem fábrica em Anápolis, GO, onde a produção é dividida entre modelos da Hyundai e da Chery.


Foto: Divulgação/Ford