A General Motors encerrou o primeiro trimestre de 2020 novamente à frente do mercado interno, com 94,7 mil veículos negociados e 17,8% de participação. Esses números, porém, não asseguram mais a folgada condição que a montadora vinha estabelecendo desde que alcançou a ponta das vendas no Brasil, em 2016.

De janeiro a março, segundo levantamento da Fenabrave, a vice-líder Volkswagen vendeu 86,3 mil automóveis e comerciais leves, equivalentes a 16,2% do mercado.

A diferença de apenas 1,6 ponto porcentual entre ambas é a menor vantagem registrada pela GM para o período nos últimos quatro anos. Em 2016, a então segunda colocada Fiat encerrara o primeiro trimestre 1,2 ponto porcentual atrás.

Há um ano, a General Motors estava exatos com 4 pontos o porcentuais à frente da VW — 18,3% contra 14,3%. Mas encerrou 2019 com 17,9% e viu a concorrente deter 15,6% dos licenciamentos, já então somente 2,3 pontos de diferença.

A sensível deve-se ao avanço da Volkswagen até mais do que à perda de fôlego da GM, cujos esforços de vendas e negócios, nos últimos meses, estiveram concentrados quase que exclusivamente nos novos Onix e Onix Plus, lançados oficialmente em setembro de 2019.

Líder e vice-líder do mercado interno em 2020, os dois modelos somaram 71,6 mil unidades de janeiro a março, 82% de todos os automóveis nacionais e importados da GM negociados aqui. E mesmo considerados também os comerciais leves, Onix e Onix têm evidente supremacia: responderam por 76% das vendas da marca.

Anúncio

Já Gol e Polo, os dois carros mais vendidos da Volkswagen, representaram 45% dos licenciamentos de automóveis da marca, ou 38%, caso incluídos os comerciais leves.

LEIA MAIS

→ Onix vende 30% a menos no ano, mas segue tranquilo na liderança

→ Vendas despencam e março têm pior desempenho em 14 anos

Com um leque mais diversificado de produtos, a Volkswagen acumulou 4% de crescimento na comparação anual, de 83 mil para 86,3 mil automóveis e comerciais leves, enquanto a GM viu suas vendas encolherem 11%. O recuo médio do mercado no trimestre foi de 8%.

Desde que assumiu a operação da Volkswagen na América Latina, o presidente e CEO Pablo Di Si nunca escondeu o desejo de recolocar a marca no topo das vendas no Brasil, onde permaneceu por mais de quatro décadas.

O objetivo nunca esteve tão perto, sabendo-se especialmente que um lançamento importante, o Nivus, está praticamente pronto para desembarcar nas concessionária. E até ponderando que Onix e Onix Plus estão em processo de aumento de oferta e que o recém-lançado Tracker nem começou sua trajetória.


Foto: Divulgação