Com as linhas de montagem paradas a partir da segunda quinzena, a indústria automobilística produziu perto de 190 mil veículos em março, 21,1% abaixo do que registrou em igual mês do ano passado, quando quase 241 mil unidades foram produzidas.

Em declaração por meio da internet, nesta segunda-feira, 6, Luiz Carlos Moraes, presidente da Anfavea, afirmou que as medidas contra a proliferação do coronavírus sobre a produção brasileira serão ainda mais impactantes em abril.

No final de março, 63 fábricas de veículos já estavam paradas e algumas haviam revisto e ampliado os prazos de interrupção das atividades para até o fim de abril.

As montadoras congregavam no fim do mês passado 125,7 mil trabalhadores, 300 vagas a menos do que em fevereiro, lembrou Moraes.

Com o resultado de março, a produção acumulada no primeiro trimestre atingiu apenas 586 mil automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus, 16% menos do que em igual período do ano passado, que registrou 697,8 mil  veículos

Moraes afirma que a entidade não pretende refazer ainda a projeção para 2020. “Não temos condições nem segurança. É uma crise profunda, que afeta o consumidor final, a produção e investimentos”, disse. “O segundo trimestre será muito ruim.”

O dirigente espera que o quadro comece a melhor somente a partir do terceiro trimestre. “Mas retomada dependerá da saúde” , pondera.

Também para isso, a Anfavea agurada por medidas governamentais. As atuais, diz Moraes, ainda estão mais voltadas para as médias e pequenas empresas. “Já estamos discutindo com o governo mecanismos para socorrer a cadeia, porque o que importa para nós é a cadeia toda saudável.”

Anúncio

EXPORTAÇÕES

O fraco desempenho das exportações registrado no ano passado e no primeiro bimestre foi acentuado em março, quando saíram do Brasil somente 30,8 mil veículos ante 39 mil no mesmo mês do ano passado.

No ano, as exportações já recuaram 21%, de 104,6 mil par 89 mil unidades. A queda em  valor também é expressiva: de US$ 2,4 bilhões  para US$ 1,9 bilhão.

ESTOQUES

 A sensível queda na produção em março e especialmente em abril não deve gerar problemas de abastecimento nas concessionárias, fisicamente abertas apenas para a prestação de serviços de oficina evendas de peças.

No último dia de março, aponta a Anfavea,  85,3 mil veículos estavam nos páteos das montadoras e outros 181,3 mil  nas concessionárias, um estoque, segundo a Anfavea, para 48 dias .”Suficiente parta abril e maio, portanto.”

Na última semana do mês passado, a média diária de vendas caiu para 1,2 a 1,4 mil unidades, 85% abaixo do que na primeira quinzena do mês, quando os licenciamentos superavam 11 mil veículos diários e apontavam para crescimento da ordem de 9%.

O desempenho de março, assim, ampliou a ligeira queda de 1% do primeiro bimestre para 8,1% no ano.  Os emplacamentos cumulados superaram 558 mil, enquanto nos primeiros três meses de 2019 foram 607,6 mil licenciamentos.


 

Foto: Divulgação