Como medida de enfrentamento à pandemia da Covid-19, que apresenta um quadro particularmente crítico em Manaus, AM, a Moto Honda decidiu prorrogar de 4 para 18 de maio a volta ao trabalho na sua fábrica da capital amazônica.

A decisão, segundo nota da fabricante, ‘prioriza a saúde e a segurança das pessoas e está alinhada às iniciativas para conter a disseminação do novo coronavírus no município, que enfrenta sobrecarga no sistema de saúde”. A empresa informa que a operação será reiniciada gradualmente com a adoção de protocolos adicionais de segurança a fimde conciliar o cuidado com a saúde e a necessidade de atendimento à demanda atual do mercado de motocicletas.

Acompanhando estratégia da maioria das montadoras de automóveis, a Moto Honda acaba de firmar acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos de Manaus com base na medida provisória 936, editada no início do mês pelo governo para tentar evitar demissões no País.

Pelo acordo, a maior parte dos colaboradores terá o contrato de trabalho temporariamente suspenso por período máximo de 60 dias. Os termos do acordo deixam de ser válidos assim que os colaboradores retornarem ao trabalho, o que neste momento está programado para 18 de maio.

Anúncio

Enquanto perdurar o acerto com os metalúrgicos, será assegurado de 75% a 100% da renda líquida atual do colaborador por meio de ajuda compensatória, ou seja, em condições melhores do que as estabelecidas na MP 936. “O desconto, que varia de 0% a 25%, será escalonado conforme faixas salarias, sendo maior para os níveis superiores”, anuncia a empresa, sem detalhar o número de funcionários que manterão seus salários integrais.

“A Moto Honda seguirá acompanhando o cenário, bem como as orientações governamentais, unindo-se aos esforços coletivos para conter os avanços da Covid-19”, destaca a empresa em nota. “Dessa forma, contribuimos para que as condições de vida das pessoas e da indústria de motocicletas retornem com êxito à normalidade no menor tempo possível”.


Foto: Divulgação/Moto Honda