Cinco anos depois de descoberta a fraude nos testes de emissão de poluentes nos motores a diesel da Volkswagen, caso que ficou conhecido mundo afora como dieselgate, a fabricante ainda sofre com as consequências do escândalo.

Uma decisão do Tribunal de Justiça Federal da Alemanha na segunda-feira, 25, a mais alta corte do país, condenou a Volkswagen a indenizar parcialmente um cliente, morador do estado Renânia-Palatinado, proprietário de uma minivan Sharan. O veredito, porém, abre precedente para outras 60 mil ações individuais ainda pendentes nos tribunais alemães.

11 milhões de veículos afetados

A Volkswagen “conscientemente e sistematicamente enganou as autoridades” por vários anos em uma “perspectiva de lucro”, disse o juiz Stephan Seiters para a emissora alemã Deutsche Walle.

Em setembro de 2015, a VW admitiu a instalação de um software nos motores a diesel com intenção de burlar os testes de emissões. A fraude afetou mais de 11 milhões de veículos ao redor do mundo – 2,4 milhões somente na Alemanha – e já custou aos cofres da companhia valor superior a € 30 bilhões em multas, indenizações e recalls de veículos, especialmente nos Estados Unidos.

Anúncio

Em fevereiro passado, a VW de dispôs a pagar € 750 milhões a mais de 260 mil reclamantes individuais alemães. Grupo de consumidores, porém, ingressaram em uma ação coletiva. A empresa disse no mês passado que reservaria € 830 milhões para o acordo.

LEIA MAIS

→Bosch multada em € 90 milhões por Dieselgate

→Risco de multas bilionárias para montadoras na Europa a partir de 2021


Foto: Grupo VW/Divulgação