A pandemia da Covid-19 ainda reflete na venda de novas cotas de consórcio no setor automotivo. Foram registradas 1,25 milhão de adesões ao sistema no acumulado de janeiro a julho, com recuo de 10,7% em relação ao total de 1,4 milhão de cotas comercializadas no mesmo período de 2019.

O segmento mais afetado foi o de motos, com retração de 14,8% nas vendas de novas cotas – 534,5 mil este ano ante as 627 mil dos primeiros sete meses do ano passado. Já as adesões no segmento de automóveis e comerciais leves caíram 8,6%, de 719,7 mil para 657,7 mil, enquanto no caso específico dos veículos pesados houve estabilidade nesse número, com a venda de 53 mil cotas até julho.

As vendas de cotas de veículos leves reagiram em julho sobre junho, com alta de 2,2%. No caso dos pesados, que inclui caminhões, máquinas agrícolas, implementos rodoviários e agrícolas, a retomada começou em junho e no mês passado, segundo a Abac, Associação Brasileiras das Administradoras de Consórcio, o número de adesões no segmento já superou o de fevereiro,”sinalizando uma recuperação importante para um setor essencial neste momento de pandemia”.

Anúncio

Conforme balanço divulgados nesta quinta-feira, 27, pela entidade, o número de participantes ativos no consórcio total de veículos caiu 1,6%, ficando em 6,11 milhões este ano. O volume de créditos negociados caiu 4,5%, baixando de R$ 46,64 bilhões para R$ 45,47 bilhões.

LEIA MAIS

Demanda por consórcio avança no agronegócio

Maioria das marcas concentra vendas em até dois modelos

As contemplações atingiram 605,3 mil consorciados no mesmo período, recuo de 4,9% no comparativo com 2019, quando foram contempladas 636,4 mil pessoas. Já o volume de créditos liberado pelas administradoras de consórcio chegou a R$ 21,23 bilhões este ano, com alta de 8,2% sobre o período de janeiro a outubro de 2019 (R$ 19,63 bilhões).


Foto: Divulgação/Honda