As marcas Jeep e Hyundai foram destaque no primeiro dia do 12º Simpósio SAE Brasil de Manufatura, que pela primeira vez está sendo realizado de forma virtual. O evento priorizou na quarta-feira, 14, a apresentação de cases de sucesso no País, mostrando não só exemplo de montadoras mas também de fornecedores, dentre os quais o da brasileira Fundição Tupy.

Juliana Coelho, gerente da planta do Polo Automotivo Jeep, em Goiana, PE, participou do painel Modelos para Superar Desafios, ao lado de Marcos Fonseca Oliveira, diretor executivo da Hyundai Motor Brasil, e de Daniel Trojahn, diretor industrial da Screw Indústria Metalmecânica.

A engenheira química Juliana falou dos investimentos em automação na fábrica pernambucana, que lhe garantem a posição de uma das mais modernas da FCA, Fiat Chrysler Automobiles, no mundo, mas com ênfase na importância da profissionalização da mão de obra local e da integração com a comunidade local.

Ela destacou as parceriais com universidades locais e centros de treinamento, como o do Senai, além da experiência adquirida pelos colaboradores brasileiros em outras unidades do grupo, como na Itália e nos Estados Unidos.

Vale lembrar que em apenas 5 anos de operação no Brasil, a marca Jeep registra este ano participação de 5,9% no mercado de automóveis e comerciais leves, ocupando a 8ª posição no ranking por marcas e com números bem próximos ao da Toyota, a 7ª colocada.

Anúncio

LEIA MAIS

Jeep retoma vendas mensais de 2019, seu melhor ano, e ganha participação

Hyundai consolida-se em quarto lugar no ranking por marca

Assim como Juliana, o diretor da Hyundai também colocou os investimentos nos profissionais como fundamentais para garantir o sucesso da empresa.

“As pessoas são sempre o mais importante”, comentou o executivo, lembrando que a Hyundai produz atualmente 900 carros por dia com 2,5 mil funcionários. “Assim como na crise de 2016, voltamos a ocupar o quarto lugar entre as marcas mais vendidas no País este ano”, lembrou, comentando que em períodos de dificuldades como o atual, marcado pela pandemia da Covid-19, a empresa se destaca positivamente.

Na abertura do primeiro dia do simpósio, Fernando Cestari de Rizzo, CEO da Tupy, abordou o tema o futuro da manufatura. Ele contou toda a trajetória da fundição no País, lembrando que no ano passado a empresa, que hoje tem fábricas também no México, faturou R$ 5,2 bilhões, sendo 82% da receita provenientes das exportações.

Organizado pelas Seções Regionais Caxias do Sul e São Paulo Interior da SAE Brasil, o simpósio encerra-se nesta quinta-feira, 15, com o painel Tecnologia para Superar Desafios, que terá entre os participante o gerente de Engenharia Industrial, Ferramentaria e Protótipos da Schaeffler, Stephan Schiechtriem, eo  diretor-presidente do IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas), Jefferson de Oliveira Gomes.

O evento também abrange visitas técnicas virtuais e Mostra Digital Tecnológica interativa com os expositores, além de minicursos gratuitos.


Foto: Divulgação/Jeep