As vendas de veículos importados das quinze marcas filiadas à Abeifa, Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores, somaram 2,6 mil unidades em outubro. O resultado é 7,2% menor do que no mês anterior e expressivos 22,8% abaixo do total negociado em outubro de 2019.

No ano, os importadores negociaram somente 22,5 mil veículos, 21% a menos do que nos dez primeiros meses de 2019. O número de licenciamentos em outubro quebrou a sequência ascendente que o setor vinha registrando em agosto e setembro.

“Infelizmente, tivemos a tendência de alta mensal de nossas associadas interrompida por falta de alguns modelos. Além disso, o último dia útil do mês de outubro foi ponto facultativo dos servidores públicos em estados importantes do País”, justifica João Henrique Oliveira, presidente da Abeifa.

Oliveira, porém, acrescenta ainda os 40% de valorização do dólar e do euro em relação ao real como fator que tem dificultado a importação de maior número de veículos. A falta de produtos já vem sendo apontada pela Fenabrave com uma dificultade do último mês, mesmo de veículos de produção nacional.

A participação das associadas da Abeifa no mercado interno segue quase marginal. Em outubro, limitou-se a  1,28%. No acumulado do ano, é ligeiramente melhor, 1,49%, ainda assim fatia que pouco incomoda as montadoreas aqui instaladas.

Anúncio

A  liderança entre os importados está com a Volvo. A marca sueca tem mais de 5,7 mil licenciamentos nos dez primeiros meses de 2020, contra 4,9 mil da segunda colocada Kia , 2,9 mil da BMW e 2,7 mil da Land Rover.

LEIA MAIS

“Falta de automóveis impede crescimento maior do mercado

A quinta colocada é a alemã Porsche, com 2,2 mil automóveis vendidos. A marca de esportivos de alto valor tem sido o grande destaque entre as importadoras. Enquanto o mercado encolheu 21% em 2020, suas vendas cresceram o dobro desse índice: 42%.

O veículo importado mais vendido no Brasil no ano é o Volvo XC60, com 2.285 licenciamentos. Com 2.172 emplacamentos, o utilitário Kia Bongo vem logo a seguir e imediatamente à frente de outro Volvo, o XC40, que acumulou 2.123 unidades.


 

Foto: Divulgação