Adiretora de Relações Humanas da Cummins Brasil, Cristina Moreira, assumiu este ano a liderança da área para América Latina. Graduada em direito, pós-graduada pela FAAP em gestão de pessoas e com MBA Executivo Internacional pela FIA, Fundação Instituto de Administração-USP Business School, a executiva de 36 anos já era diretora de RH da Unidade Motores na região.

Cristina integra o comitê de liderança sênior da Cummins para a América Latina e agora, com o cargo recém-assumido, expande sua atuação de cerca de 2 mil para 8 mil colaboradores. Além de incentivar e influenciar o desenvolvimento e retenção, a nova diretora tem como meta reforçar os valores de diversidade e inclusão já presentes no DNA da Cummins:

“Diferente de muitas empresas no mercado que fomentam programas focados em mulheres e afrodescendentes, dentre outros, na Cummins não fazemos nada mandatório. Ambicionamos a pessoa ideal para cada função, gerando oportunidades iguais. Por isso, trabalhar com diversidade e inclusão não é só um processo de recrutamento adequado. Inclui uma liderança com um mindset preparado para não ter pré-conceitos e olhar as pessoas na sua essência, condição decisiva para suportar os progressos regionais e globais que auxiliam na expansão dos negócios”.

Anúncio

LEIA MAIS

Daimler Truck e Cummins encaminham parceria em motores

Cummins fatura R$ 19,8 bilhões em 2020

Cristina comenta, ainda, que assumir uma região num momento de pandemia é priorizar a saúde física e mental dos colaboradores, não só aqueles que estão em suas casas, como também os que estão mantendo as operações de manufatura presencialmente.

“Vejo ainda como grande desafio o contínuo desenvolvimento de nossos líderes para que cada um deles esteja preparado para suportar o seu time, seja num momento de necessidade pessoal ou profissional, em casa, e em uma gestão que garanta uma experiência de clareza de oportunidades, com plano de carreira bem estruturado para, assim termos uma organização promissora”, finaliza a executiva.

A Cummins vendeu mais de US$ 1,4 bilhão na América Latina no ano passado.


Foto: Divulgação/Cummins