O mercado de veículos usados acusou de forma clara as dificuldades geradas pelas medidas mais restritivas adotadas recentemente por governos estaduais e municipais para enfrentamento do agravamento da crise sanitária. Em abril, foram negociados pouco mais de 1,1 milhão de automóveis, comerciais leves, pesados e motos, considerável recuo de 9,6% sobre março.

A comparação com igual mês no ano passado, entretanto, apenas explicita a interrupção quase total dos negócios no primeiro mês da pandemia no Brasil. O salto foi de 460%! Dequalquer maneira, o saldo ao longo de 2021 ainda é bastante positivo, com crescimento de 41% no primeiro quadrimestre, para 4,7 milhões — perto de 3,5 milhões apenas de automóveis e comerciais leves —, aponta levantamento da Fenauto, Federação Nacional das Associações dos Revendedores de Veículos Automotores.

“Acreditamos que a nova flexibilização das medidas e o retorno das atividades do comércio, já anunciadas pela maioria dos governos estaduais, deverão gerar resultados positivos novamente nas próximas semanas. Isso, aliado ao avanço da vacinação , deve trazer uma nova onda de confiança aos consumidores”, avalia Ilídio dos Santos, presidente da entidade que reúne reúne lojistas multimarcas.

LEIA MAIS

→ Média diária de venda de veículos leves cresce em abril


Foto: Divulgação