Décio Costa, de Iracemápolis, SP | decio@autoindustria.com.br

A Mercedes-Benz reforça seu poder de desenvolvimento de caminhões e ônibus para a realidade do transporte brasileiro com a inauguração na terça-feira, 15 de maio, de campo de provas projetado para teste de veículos comerciais. Resultado de investimento de R$ 90 milhões, o complexo, localizado junto à fábrica de automóveis da fabricante, em Iracemápolis (SP), é considerado o mais avançado e maior da América Latina do gênero.

Construído em terreno de 1,3 milhão de m², equivalente a 150 campos de futebol, o complexo reúne 16 pistas, totalizando 12 quilômetros. No circuito, 14 trechos, destinados a testes de durabilidade e robustez, somam 840 placas de concretos diferentes umas das outras. Reúne ainda pistas de terra e de ensaio de conforto acústico e térmico.

“O novo campo de provas se insere no desenvolvimento global da Daimler, junto com os complexos da Madras, nos Estados Unidos, e de Wörth, na Alemanha”, conta Christof Weber, vice-presidente de desenvolvimento de caminhões e agregados da Mercedes-Benz do Brasil. “O País tem papel importante para a Daimler devido às condições das estradas brasileiras. Caminhões testados aqui ficam prontos para qualquer mercado do mundo.”

Para reproduzir nas pistas do campo de provas da Mercedes-Benz a realidade do transporte brasileiro, o projeto colocou na estrada um caminhão-laboratório instrumentado. O veículo somou em torno de 16.000 km nas mais diversas condições de piso e operações, dos canaviais aos setores de mineração, na coleta de informações. Dados de torções, forças atuantes na suspensão, rodas, eixos, dentre vários parâmetros, trouxe subsídios para construir no campo de provas o que caminhões e ônibus enfrentam na prática.

Segundo Weber, com o apoio do novo campo de provas, não só reduz o tempo de desenvolvimento como também traz mais confiabilidade ao produto. “O que antes poderia levar 50.000 km para aprovar um produto, agora pode ser feito em um terço da quilometragem. Rodar 17.000 quilômetros nas pistas do campo de provas, equivale a 1 milhão de quilômetros por estradas abertas.”

O novo complexo desenvolvimento da fabricante também incorpora conceitos da conectividade. Os testes passam a ser feito por meio de programa on-line que permite acesso em qualquer de qualquer lugar do mundo com tolerância de erro do GPS de 2 centímetros. O chamado DGS, do inglês Driver Guidance System, reúne sistema de análise dados que abastece uma plataforma global. Além do operador ser orientado por comando de voz a respeito do programa de teste, o engenheiro pode acompanhar os ensaios esteja onde ele estiver.

Segundo o vice-presidente de desenvolvimento, saber antes o que pode vir a acontecer com os componentes do caminhão ou do ônibus ao longo de suas vidas úteis pode se tornar bom argumento de vendas no futuro, ao permitir determinar, por exemplo, intervalos de manutenção mais extensos ou mesmo prazos de garantia maiores.


Foto: Mercedes-Benz/Divulgação