Com 182,3 mil emplacamentos até junho, os crossovers já têm mais representatividade no mercado brasileiro do que os veículos de entrada.

Por Alzira Rodrigues

Com nada menos quarenta modelos  nacionais e importados, o segmento de SUVs continua disparando em vendas no mercado brasileiro. Eles já têm mais representatividade até mesmo do que os veículos de entrada, dentre os quais VW Gol, Fiat Mobi e Ford Ka, ganham espaço principalmente sobre os sedãs pequenos, segmento que inclui Chevrolet Prisma, VW Voyage e Hyundai HB20S, dentre outros.

As vendas de SUVs saltaram expressivos de 26,5% no primeiro semestre deste ano , com 182,3 mil emplacamentos, enquanto na média dos automóveis e comerciais leves a alta foi de apenas 4,2%.

Com isso a participação do segmento passou de 17,8% no ano passado para 21,5% este ano, enquanto a de sedãs pequenos, na contramão, baixou de 17,1% para 14,7%. Os hatchs pequenos se mantém na liderança do ranking por segmento com fatia de 26,4%, seguidos dos próprios SUVs, veículos de entrada e sedãs pequenos.

Dentre os sedãs pequenos, o líder Chevrolet Prisma praticamente manteve o patamar de vendas do ano passado, com pouco mais de 31 mil unidades no primeiro semestre e penetração de 25%, enquanto o Hyundai HB20S  teve volume reduzido de 23 mil para 14,8 mil no mesmo comparativo. O Voyage é vice-líder este ano, com 18,4 mil emplacamentos.

São tantos os SUVs hoje à venda no mercado nacional que  em futuro breve a Fenabrave, oficialmente, divida o segmento em pequenos, médios e grandes, como já acontece com os hatches ou  sedãs. Os subsegmentos facilitam análises mercadológicas e de marketing.

Disputa acirrada – O ritmo de lançamentos de SUVs no País nos últimos dois anos impressiona até mesmo analistas mais experientes. O líder atual  é o Honda HR-V, com 23,2 mil unidades emplacadas no semestre e 12,7% de participação, seguido do Jeep Compass, com 22 mil unidades e 12% de penetração, e do Jeep Renegade – 17,8 mil emplacamentos e fatia de 9,7%. Completam a lista dos seis mais vendidos o Hyundai Creta, Ford EcoSport e Nissan Kicks.

Anúncio

O crossover da Nissan, que até junho vinha do México, é agora fabricado no Brasil. Com a produção em Resende (RJ) sua oferta será ampliada ao longo deste semestre. A empresa está em vias de instalar o segundo turno na fábrica sul-fluminense para aumentar a produção em 50%, atingindo 82 mil unidades/ano, das quais entre 40% e 45% do Kicks.

E mais novidades estão para chegar no mercado. A Renault já iniciou a pré-venda do Kwid, SUV compacto que será lançado na primeira semana de agosto e que custará a partir de R$ 29,9 mil, concorrendo assim na mesma faixa de preço dos veículos de entrada. A General Motors confirmou para o último trimestre o lançamento do grandalhão Equinox, produzido no México e  substituto do Captiva.

Balanço – Ao divulgar os números do setor automotivo no acumulado do primeiro semestre, o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Jr., confirmou tendência de alta do mercado de automóveis e comerciais leves além da esperada inicialmente pela entidade.

Em janeiro a entidade projetou alta de 3,1% e agora, diante dos resultados do primeiro semestre, acredita em crescimento de 4,25% no ano. A média diária de vendas em junho, enfatiza o dirigente, cresceu 4,5% sobre maio, com o emplacamento de 9 mil unidades.

“Junho mostrou-se bastante agitado politicamente, gerando, inclusive, uma pequena queda nos índices de confiança de curto prazo. Isso, porém, não afetou a tendência de melhora, resultando num primeiro semestre positivo”, ponderou.


Fotos: Divulgação/Empresas