Por Alzira Rodrigues

As vendas de máquinas agrícolas e rodoviárias registraram leve retração de 2,4% em julho sobre junho, comportamento considerado sazonal pelo presidente da Anfavea, Antonio Megale, que divulgou na sexta-feira, 4, os dados do setor: “O segmento está estável e a perspectiva é de melhoria nos próximos meses”.

No acumulado dos primeiros sete meses do ano o segmento apresenta dados positivos em todas as áreas. As vendas internas atingiram 25,2 mil unidades, com crescimento de 17,1% sobre o mesmo período de 2016, e as exportações expandiram-se em 40,9%, num total de quase 7,4 mil unidades embarcadas. A produção, por sua vez, teve alta de 35,2%, com a fabricação de 34,4 mil máquinas agrícolas e rodoviárias entre janeiro e julho deste ano.

Anúncio

No mês passado foram vendidas 3.935 unidades, ante as 4.033 de junho e as 4.042 de julho de 2016. Já a produção, que atingiu 5.625 máquinas no mês passado, registra desempenho favorável nestes dois comparativos, com altas de 5,1% e 13%, respectivamente.

Apesar de indicar desempenho positivo no acumulado deste ano, o mercado interno de máquinas agrícolas e rodoviárias ainda não recuperou os números dos seus tempos áureos. Mas tudo indica, na avaliação de Megale, que os negócios do setor tendem a continuar crescendo.

“A média dos últimos dez anos do período janeiro-julho é de 33,8 mil unidades e este ano ficamos em 25,2 mil. O importante é que estamos em processo de retomada e com perspectivas positivas para os próximos meses”.

No que diz respeito ao mercado externo, a demanda crescente por máquinas agrícolas na Argentina tem favorecido o desempenho positivo da indústria brasileira. As exportações este ano atingiram US$ 1,47 bilhão, receita 40,8% superior à obtida no mesmo período do ano passado, que foi de US$ 1,04 bilhão.


Foto: Divulgação/Agrishow