Por Alzira Rodrigues

Exatos 60 anos depois da primeira Kombi ser fabricada no Brasil, a Volkswagen iniciou nesta semana a produção do novo Polo na fábrica da Anchieta, em São Bernardo do Campo, SP. A unidade industrial do ABC, que também produzirá o sedã Virtus, recebe investimento de R$ 2,6 bilhões em modernização, desenvolvimento de fornecedores locais para os dois novos modelos e qualificação de mão de obra.

Ao anunciar o investimento no ABC paulista, o presidente e CEO da Volkswagen do Brasil e América do Sul, David Powels, destacou que a chegada de novos modelos da marca em linha com o que há de melhor no mundo representa a construção de um nova Volkswagen. Segundo ele, essa é a maior ofensiva de produtos da história da marca no País, que trabalha no sentido de ser mais rápida, mais enxuta e mais eficiente.

“2017 marcará a virada de página da Volkswagen do Brasil. A Volkswagen está se reinventando com diversas ações que construirão esta nova marca, com uma nova mentalidade, com muito mais energia e ainda mais alinhada com as expectativas dos nossos clientes”, garantiu Powels.

Os R$ 2,6 bilhões fazem parte do total de R$ 7 bilhões que a VW investirá no País até 2020, que envolve dentre outros projetos a produção de um SUV e uma picape na fábrica de São José dos Pinhais, PR. O Polo chegará no último trimestre deste ano e o Virtus no primeiro trimestre de 2018. Ambos foram desenvolvidos com a Estratégia Modular MQB.

Anúncio

Cerimônia – Para divulgar o montante dos investimentos em São Bernardo do Campo a Volkswagen promoveu uma solenidade na manhã da segunda-feira, 14, que tem a participação do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, do Ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira, do prefeito de São Bernardo do Campo, Orlando Morando, e do Cônsul da Alemanha em São Paulo, Axel Zeidler, além de empregados, concessionários e fornecedores.

Segundo disse Powels na ocasião, o início de produção do novo Polo não envolverá a contratação de novos funcionários na fábrica da Anchieta. “Quando houver necessidade de instalação do terceiro turno, vamos chamar entre 200 e 300 funcionários que estão em sistema de lay-off”.  O modelo terá índice de nacionalização na faixa de 75%, “índice que será obtido gradativamente”, segundo Powels. A empresa importa peças eletrônicas que não têm produção local e a transmissão do Polo vem da Argentina.

De acordo com o vice-presidente de operações da Volkswagen do Brasil e América do Sul, António Pires, com o novo Polo e o Virtus, “a fábrica Anchieta torna sua produção ainda mais tecnológica e dá mais um passo em direção à implementação de conceitos de Indústria 4.0, que cria fábricas inteligentes, conectadas e flexíveis, tendo a produtividade como um dos principais resultados”. A primeira Kombi produzida no Brasil saiu da linha de montagem da Anchieta em 2 de setembro de 1957.


Fotos: Divulgação/VW