O Grupo Renault vendeu 806,3 mil veículos de suas seis marcas e parceiras em todo o mundo no 3º trimestre de 2020, 6,1% a menos do que em igual período do ano passado. Mais da metade, 405,2 mil, na Europa, recuo de 2,9% para uma região que encolheu quase o dobro, 5%.

O conglomerado, assim, viu sua participação avançar 0,2 ponto porcentual em seu principal mercado, para 10,3%, e que respondeu por 50% dos mais de 2 milhões de veículos negociados pela empresa em 2020 em todo o mundo —26% abaixo do registrado nos nove primeiros meses do ano passado.

As vendas de produtos Renault exclusivamente cresceram 0,8% na Europa. Segundo o grupo, graças ao sucesso dos modelos Clio e Captur e também ao avanço do elétrico compacto Zoe, que somou 27 mil unidades no trimestre, 157% a mais do que no período anterior.

Fora da Europa, destacou a empresa em comunicado, as vendas caíram 9%, “impactadas principalmente pela queda de 50,9% no Brasil”. Os brasileiros consumiram 30,3 mil veículos de julho a setembro, do total de 63,4 mil unidades negociados nas Américas.

Anúncio

Ao longo de 2020, as 90 mil unidades vendidas aqui colocam o Brasil como o sexto maior mercado mundial do grupo, atrás da França (383 mil), Rússia (324 mil), Alemanha (138 mil), China (113,5 mil) e Itália (107 mil).

O faturamento global no terceiro trimestre do Grupo Renault também registrou queda com relação a igual período de 2019.  As transações somaram quase € 10,4 bilhões, baixa de 8,2%.

“Este terceiro trimestre destaca a mudança em nossa política comercial, que agora se concentra na rentabilidade ao invés de volumes”, enfatizou Luca de Meo, CEO da Renault.

LEIA MAIS

Renault lançará elétrico Mégane eVision em 2021 na Europa


Foto: Divulgação