Por Redação

No balanço positivo do terceiro trimestre divulgado na quarta-feira, 25, o Grupo Renault destaca a recuperação do mercado brasileiro como favorável ao seu desempenho mundial: “As vendas no Brasil aumentaram 24,8% e a participação de mercado atingiu 8,5%, graças aos bons resultados dos novos modelos Captur e Kwid. Lançado em julho, o Kwid já teve mais de 13,6 mil unidades vendidas”, informa a empresa.

O balanço da Renault compara o terceiro trimestre deste ano com o mesmo período de 2016, indicando acréscimo de 9,4% de suas vendas mundiais, para 866,2 mil unidades, assim como de sua participação de mercado, que atingiu 3,8%, com acréscimo de 0,2 ponto porcentual. No Brasil, o aumento de participação foi de 0,7 ponto. Com relação ao mercado mundial de veículos este ano, o Grupo Renault projeta alta de 2% a 3% no geral, ante previsão anterior de 1,5 a 2,5%, e de 8% para o Brasil, 3 pontos acima dos 5% estimados anteriormente.

O faturamento do grupo entre julho e setembro atingiu € 12,2 milhões, acréscimo de 15,9% sobre os mesmos meses do ano passado. Excluindo o impacto da consolidação da Autovaz, o faturamento do grupo avançou 9,8%, para € 11,6 milhões, alta de 12,2%.

Por região – Suas vendas na região Américas estão em progressão de 14% em um mercado em alta de 7,1%. A participação de mercado do grupo na região avançou 0,4 ponto, para 7,3%. Além do bom desempenho no Brasil, também o mercado argentino registra alta de 7,7%, índice que deve crescer após o lançamento comercial do Kwid por lá.

Anúncio

Na Europa, os emplacamentos do grupo cresceram 4,9%, em um mercado em progressão de 1,4%, para 397 mil veículos emplacados no terceiro trimestre. A participação de mercado do grupo ficou em 9,9% na Europa, em alta de 0,3 ponto. A marca Renault teve crescimento de 2,9% por lá, tendo como destaques o lançamento do novo Koleos e o sucesso do ZOE Z.E. 40. O Clio é o segundo veículo mais vendido naquele mercado e o Captur é o primeiro crossover de seu segmento.

A Renault mantém sua liderança entre os elétricos, com 7,7 mil veículos vendidos no terceiro trimestre. Também crescem suas vendas em outras regiões, como na Ásia-Pacífico, onde os emplacamentos do grupo aumentaram 21,1%. A alta na China foi de 123,6%, com 16,8 mil unidades no trimestre.

Na Coreia do Sul, no entanto, houve queda de 8,2% devido à ausência de um novo modelo em um mercado extremamente competitivo, após um forte crescimento em 2016, marcado pelo lançamento do SM6 e do QM6. Também houve queda, de 1,3%, na região África/Oriente Médio/Índia.


Foto: Divulgação/Renault