Faz algum tempo eu me perguntava: por que o nome da família que fundou a Toyota não era usado para identificar a empresa? Afinal, o sobrenome é TOYODA. Bem, foi uma questão linguística/semântica que motivou a modificação.

O primeiro logo da montadora, grafado como o nome da família, que apresentamos abaixo, surgiu antes mesmo do primeiro automóvel, produzido em 1937 quando já existia um segundo logo (que mostramos abaixo do primeiro), vencedor de um concurso público com 27 mil participantes em 1936, três anos depois fundação da empresa.

Mas, por que mudar?

 Percebe-se que, neste segundo logo, o nome já foi modificado. A explicação é que a pronúncia TOYOTA soa mais atraente e limpa, além disso, segundo a diretoria da montadora, a mudança converteria a empresa de familiar para internacional. Além disso, ao se escrever em japonês, decide-se alterar o terceiro ideograma, convertendo a terceira sílaba de “DA” para “TA”, conforme abaixo, assumindo, a partir de então o novo nome da empresa:TOYOTA.

Ao comemorar 50 anos, a montadora assumiu, em 1989, o atual logotipo, formado pela sobreposição de três elipses. Simbolicamente, o oval maior significa o coração do cliente e o coração da empresa. Além de formar a letra “T”, a sobreposição das duas formas ovais perpendiculares dentro do oval exterior, uma delas também pode ser vista como a direção do veículo. E cada oval é contornado com diferentes espessuras de traçado, semelhante à arte oriental.

 E tudo começou mesmo com o tear

Sakichi Toyoda foi o criador da Toyota. Ele nasceu em 1867, quando o Japão começara recentemente o seu processo de industrialização. Carpinteiro de “mão cheia” usava seus conhecimentos no setor para modernizar o antigo tear que sua mãe usava. Em 1891, patenteou o seu primeiro tear automático, mudando para Tóquio.

Anúncio

Dois anos depois ele se casa, tem um filho, Kiichiro, e se dedicava exclusivamente a inventar novos teares. Então uma empresa exportadora assinou um contrato de exportação. O tear de Sakichi era dez vezes mais barato que o alemão e quatro a menos que os franceses. Entre guerras e recessão, ele voltou ao aperfeiçoamento de suas máquinas. Depois de fundar a Toyoda Loom Works, ele viaja aos EUA e se apaixona pela complexidade de se fabricar um automóvel.

Na volta ao Japão, funda a Toyoda Spinning and Weaving Co.Ltd., criando as bases da corporação Toyota. Depois disso, em 1929, Toyoda vende os direitos de sua patente de teares e, um ano antes de morrer, transfere para seu filho, Kiichiro, a responsabilidade de investimentos na indústria automobilística.

O jovem dá início ao desenvolvimento de motores de combustão à gasolina que hoje divida a produção com motores elétricos, utilizados nos seus modelos híbridos, com destaque para o Prius, que já vendeu mais de 6 milhões de unidades em todo o mundo, incluindo o Brasil. Dois anos depois, cria a Divisão Automobilística da Toyota Automatic Loom Works. Então, em 1937, surge o primeiro Toyota, um protótipo que é seguido pela fundação da Toyota Motor Company Ltd.

chicolelis – chicolelis@gmail.com  é jornalista com passagens pelos jornais A Tribuna (Santos), O Globo e Diário do Comércio. Foi assessor de Imprensa na Ford, Goodyear e, durante 18 anos, gerenciou o Departamento de Imprensa da General Motors do Brasil