Por George Guimarães | george@autoindustria.com.br

Ele ainda é um ilustre desconhecido nas ruas e nem poderia ser diferente. Lançado há apenas três meses e com 278 unidades negociadas desde então — 104 delas no mês passado —, o Peugeot 5008 porém tem atributos para ser protagonista de sua faixa de preço.

A razão dessa afirmação é simples: o SUV é, na verdade, uma versão alongada do 3008, modelo que caiu rapidamente no gosto do consumidor brasileiro e vende aqui tudo o que a Peugeot consegue trazer da Europa, onde também amealhou uma legião de consumidores desde sua apresentação em 2016.

De janeiro a junho de 2018, foram emplacadas 1,6 mil unidades do 3008 , expressivo crescimento sobre as quase 1,1 mil vendidas entre julho, quando chegou às revendas brasileira, e dezembro do ano passado.

Como o 5008 custa aproximadamente R$ 176 mil na versão Griffe e uns R$ 182 mil  na Griffe Pack, é alternativa interessante e viável para quem se sentiu atraído pelo irmão menor — cujos preços  variam de R$ 161 mil a R$ 167 mil —, mas deseja, ou precisa, acomodar mais pessoas: o modelo tem dois bancos adicionais dobráveis e embutidos sob o assoalho do porta-malas, úteis mesmo para crianças.

Anúncio

De resto, o SUV é rigorosamente igual ao 3008, produzido também sobre a plataforma EMP2, mas com 4,65 metros de comprimento, quase 20 centímetros a mais. O interior repete ótimos acabamentos e o belo design. O i-Cockpit  e o quadro de instrumentos digital, além de um console com botões retrô, são o ponto alto.

Dinamicamente, nada muito diferente também. Com o mesmo motor 1.6 THP a gasolina de 165 cavalos e transmissão automática de seis marchas, entrega desempenho e consumo mais que satisfatórios para um veículo de seu porte e propost, como atestou AutoIndústria em estradas de  asfalto e também de terra batida.

A depender do catálogo, o 5008 conta com recursos como frenagem automática de emergência, alerta de colisão, correção e aviso de permanência na faixa de rolagem, detector de fadiga, comutação de automática dos faróis alto ou baixo, leitor de placa de velocidade, piloto automático adaptativo e sistema de vigilância de ponto de cego.

Quanto ao conforto, merecem destaques teto solar panorâmico, cortinas retráteis nas janelas laterais traseiras, multimidia, teto solar panorâmico, mesinhas para os passageiros de trás.

Para o motorista e carona da frente dois outros mimos: bancos com aquecimento, mais que oportuno durante a avaliação sob frio intenso no inverno das montanhas de Minas Gerais,  e massageador!  Assim, os familiares, atrás ou na frente, não terão motivos para reclamar! Nem do frio.


Fotos: AutoIndústria/ Divulgação Peugeot