Enquanto nas plenárias e nos debates o foco são os veículos do futuro, obviamente com destaque para os autônomos, e os novos conceitos de mobilidade urbana, nos estandes dos expositores do Congresso SAE Brasil 2018 prevalecem lançamentos que estão para chegar ao mercado, principalmente componentes e soluções destinados à eletrificação veicular.

É o caso da transmissão de duas velocidades para veículos comerciais elétricos, como ônibus, caminhões de coleta de resíduos e veículos de entrega, apresentado pela Eaton. Também disponível em quatro velocidades e já em uso na Europa e na China, a nova transmissão tem seu tamanho e peso reduzidos quase pela metade e oferece alta capacidade de torque.

“Com ela, é possível otimizar a durabilidade e autonomia da bateria e, consequentemente, aumentar a eficiência do veículo e reduzir significativamente seu custo para o consumidor final”, esclarece Sergio José Kramer, diretor de engenharia, produtos e aplicações da Eaton.

O executivo acredita que a eletrificação de veículos comerciais no país será implementada de forma gradativa, inicialmente no mercado de ônibus e caminhões urbanos: “Já iniciamos, inclusive, contatos com as montadoras para apresentar nosso portfólio voltado para eletrificação desses veículos e temos toda competência para suportar e produzir transmissões para aplicações em veículos elétricos no País”.

Também a Magneti Marelli aproveita o evento para apresentar tecnologias que definirão o futuro da mobilidade, destacando entre os seus lançamentos o Kers, sistema de recuperação de energia cinética desenvolvida para a Fórmula 1 e que agora já pode ser aplicada nos carros de passeio.

A solução, segundo a fabricante, traz uma forma inovadora de propulsão, oferecendo alta potência a partir de uma fonte alternativa de energia. A Magneti Marelli acredita que essas soluções são essenciais para que a indústria consiga atender os objetivos do programa Rota 2030.

Anúncio

Nesse sentido, também expõe no Congresso SAE Brasil outras tecnologias de powertrain, como o injetor GDI e o sistema ECS, que auxiliam na diminuição do consumo de combustível e redução de emissões poluentes, além de componentes inovadores das divisões de iluminação automotiva, sitemas eletrônicos, amortecedores, suspensão, sistemas de exaustão e Motorspor.

A Aptiv tem em seu estande um BMW i3, que permite ao visitante que entrar no veículo, 100% elétrico, simular em realidade virtual estar a bordo de um carro autônomo.

Debate – Com o tema Engenharia do Futuro – Novos Horizontes para a Mobilidade, o evento acontece desde segunda-feira, 3, no São Paulo Expo, na capital paulista, e encerra-se nesta quarta-feira, 5. Pela primeira vez ocorre junto com a ExpoAlumínio, realizada pela Abal, Associação Brasileira do Alumínio, e também promovida pela Reed Exhibitions Alcantara Machado.

Simultâneas e compartilhando um mesmo pavimento de 8 mil m², a expectativa é a de um público aproximado de 17 mil visitantes em três dias de atividades dos dois eventos.

No encerramento do primeiro dia do evento, na segunda-feira, 3, foi realizado painel com o diretor de qualidade da FCA, Richard Schwarzwald, e os presidentes da Bosch, Bezaliel Botelho, e da Scania, Christopher Podigorski.

O diretor da FCA destacou que hoje é necessários pensar além do automóvel. “Mobilidade é diferente de trânsito. É acesso às oportunidades”, destacou, lembrando que infraestrutura é importante, mas não resolve todos os problemas. “A mobilidade depende do multimodal”.

Para o presidente da Scania, o veículo do futuro é o elétrico e é nesse sentido que o setor caminha. “Nós já temos caminhões e ônibus híbridos e também elétricos. Para termos um transporte sustentável precisamos de uma política pública. E não falo em subsídio. Subsídio não é sustentável”.


Foto: Divulgação/Eaton